VOLTAR

Tribo indígena remota monitora floresta amazônica com drones

Reuters - https://br.reuters.com
Autor: Fabio Teixeira
05 de mar de 2020

TERRA INDÍGENA URU-EU-WAU-WAU, Rondônia (Thomson Reuters Foundation) - Para visitar os uru-eu-wau-waus, uma tribo indígena que vive nas profundezas da floresta amazônica, é preciso primeiro solicitar uma permissão por email, que é impressa e entregue em mãos aos líderes locais.

Embora só um dos nove vilarejos da tribo esteja conectado com o mundo exterior por meio de um wifi precário via rádio, outras tecnologias estão sendo empregadas para proteger suas florestas remotas de invasores.

Hoje em dia, o zumbido de um drone pode ser ouvido em meio ao canto dos pássaros e do rugido distante do Rio Jamari, onde os uru-eu-uau-uau pescam peixes.

Na tentativa de detectar grileiros e madeireiros ilegais, alguns membros da tribo foram treinados em dezembro para operar drones.

Um mês depois, eles acionaram os drones e descobriram uma área de cerca de 200 hectares sendo desmatada em sua reserva de Rondônia, como contaram à Thomson Reuters Foundation.

"A tecnologia hoje, para o monitoramento territorial, vale muito a pena", disse Bitate, líder local de 19 anos que fala português, além da língua de sua tribo nativa, o tupi cauaíbe.

"Se não tivesse o drone, aquele desmatamento, que já estava bem avançado, não saberíamos nem onde estava".

A tribo depende da floresta para se alimentar, e também para coletar produtos naturais e vendê-los nas cidades.

Um carregamento recente de oito toneladas de castanha do Pará exigiu 10 pessoas coletando durante 30 dias, e gerou cerca de 2.500 reais por pessoa.

Desde seu primeiro contato com o mundo exterior, no início dos anos 1980, os uru-eu-uau-uau vêm se adaptando lentamente a tecnologias modernas, sem romper com suas tradições.

Hoje uma rede elétrica alimenta os quatro vilarejos visitados pela Thomson Reuters Foundation.

Em um deles, Alto Jamari, uma maloca é decorada com uma televisão de tela plana e uma geladeira.

A maioria dos uru-eu-wau-wau ainda dorme em malocas, cercados por porcos selvagens e galinhas, mas agora alguns têm camas em casas de tijolos construídas pelo governo estadual em suas terras.

O uso de drones por parte de povos indígenas começou cerca de três anos atrás, quando as aeronaves por controle remoto se tornaram mais acessíveis, disse Jessica Webb, encarregada de engajamento global da Global Forest Watch, um serviço de monitoramento pela internet do World Resources Institute.

https://br.reuters.com/article/idBRKBN20S29S-OBRIN

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.