VOLTAR

Tomate das comunidades indígenas abastece Boa Vista

Folha de Boa Vista
08 de ago de 2007

Semanalmente, tomates vindos das comunidades indígenas do Truaru e Serra da Moça estão sendo comercializados na Feira do Produtor. A mercadoria chega ao local de venda geralmente nas quintas-feiras no período da tarde, já que a colheita é realizada na quarta-feira à tarde e na quinta pela manhã.

Eliander Trajano, Gestor de Assuntos Indígenas da Secretaria Municipal de Gestão Ambiental e Assuntos Indígenas (SMGAAI), explica que a venda direta pelo produtor indígena evita atravessadores e a elevação do preço do tomate, deixando o valor da caixa de 21 quilos entre R$ 25 a R$ 40. Nesta safra, os indígenas esperam colher 63 toneladas de tomates. A previsão é de 16 caixas por semana.

Foram plantados 12 mil pés de tomate na Serra da Moça e seis mil no Truaru. Cada pé produz em média 3,5 quilos. O incentivo ao plantio de tomate é um projeto piloto da Prefeitura de Boa Vista e a intenção é expandi-lo para outras localidades até o final do ano, gerando mais renda entre os indígenas.

Cinco produtores do Truaru e 10 da Serra da Moça estão envolvidos diretamente com o cultivo da planta. O investimento realizado pela Prefeitura aumentou significativamente a produção de tomate nas comunidades. O Município distribuiu adubos e sementes de qualidade e oferece assistência técnica permanente, o que auxiliou no combate de pragas e deu mais qualidade ao produto.

Pimenta - O Projeto Piloto Pimin é outra iniciativa da Prefeitura para melhorar a qualidade de vida nas áreas indígenas de Boa Vista. Foi implantado em 2006 na comunidade da Vista Alegre e incentiva a produção de pimenta em pó ou jiquitaia e outros derivados da especiaria como molhos e geléia.

O projeto incentiva também o resgate cultural, além de gerar renda para o grupo de mulheres envolvidas e suas famílias. Sendo cultivada em sistema de irrigação, a pimenta garante produção durante o ano todo.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.