VOLTAR

Sumiço das abelhas preocupa cientistas

Valor Econômico, Especial, p. G4
29 de mar de 2014

'Sumiço' das abelhas preocupa cientistas

Por Ediane Tiago
Para o Valor, de São Paulo

O declínio das colônias de abelhas tem demonstrado como o desequilíbrio ambiental, somado ao manejo inadequado das lavouras, pode comprometer ecossistemas diretamente responsáveis pela produção de alimentos. Principais - e mais eficientes - polinizadores da natureza, as abelhas transportam o grão de pólen entre as flores, permitindo a reprodução de espécies e a geração de frutos. "Mundialmente, 70% dos alimentos cultivados e 80% das plantas dependem das abelhas. Culturas como amêndoas, maçã e melão não vingam sem esses insetos", explica o professor Lionel Segui Gonçalves, presidente do Centro Tecnológico de Apicultura e Meliponicultura do Rio Grande do Norte (Cetapis).
Sem cuidar das abelhas, a dieta humana torna-se menos diversa e nutritiva. Também fica mais cara. Estudos publicados pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) estimam que o valor da polinização, feita principalmente pelas abelhas, seja superior a US$ 200 bilhões em todo o mundo. A conta não inclui os serviços ambientais prestados por esses insetos na conservação e manutenção de reservas naturais, além do reflorestamento.
O trabalho das abelhas influencia a quantidade e a qualidade dos alimentos produzidos, por promover cruzamentos naturais entre espécies durante a polinização. "A questão não é apenas ecológica. O impacto econômico é grande", avisa a professora Cláudia Inês da Silva, da Universidade Federal do Ceará. "Em regiões amplamente dependentes de agricultura familiar - com menos recursos para ampliar a produtividade - a falta de abelhas afeta o valor da cesta básica. As pessoas deixam de comer", completa.
A redução das colônias tem sido identificada por meio de dois fenômenos: a morte dos insetos (por intoxicação, deficiências nutricionais, efeitos climáticos ou doenças) e o "sumiço" de operárias que simplesmente não voltam para a colmeia, enfraquecendo todo o grupo e prejudicando as crias. Nos EUA, desde 2006, os programas de monitoramento das abelhas utilizadas na polinização de culturas comerciais apontam perda anual entre 30% e 40% das colônias. Na Europa Central, a média tem sido de 25% desde 1985. No Reino Unido, a situação é mais grave, com 54% de redução no número de insetos. No processo natural de renovação das colônias, o índice de mortalidade não passa de 15% a cada inverno.
Para resolver o problema, agricultores estão manipulando abelhas e levando colmeias para o campo. Mas, de acordo com estudos científicos, os insetos inseridos no ecossistema por intervenção humana são menos eficientes na polinização que os silvestres.
O "sumiço" é atribuído por muitos especialistas ao fenômeno chamado síndrome do desaparecimento das abelhas - ou colony colapse disorder (CCD), em inglês. "O sistema nervoso das abelhas é afetado pelos neonicotinoides - substâncias presentes em grande parte dos defensivos agrícolas utilizados no Brasil e no mundo. O produto confunde os insetos que se perdem de suas colônias", explica Gonçalves. Para ele, o uso intensivo de inseticidas é o grande vilão da redução das colônias.
O complicador para atestar o efeito dos neonicotinoides está no fato de que, ao contrário das mortes por intoxicação por inseticidas, doenças ou mudanças drásticas de temperatura (efeito climático), a substância não deixa rastro. Como as abelhas se extinguem longe de suas colônias, não há como examinar os insetos mortos para avaliação da causa do enfraquecimento ou extermínio da colmeia. "Na Europa, o uso dos neonicotinoides foi proibido por dois anos. A ideia é estudar os reais efeitos da substância nas colônias", comenta o professor.
A questão dos neonicotinoides é a mais polêmica na discussão sobre as abelhas. De fato, não há nenhum estudo conclusivo sobre o efeito da substância na redução das colônias. O único consenso entre apicultores, cientistas e agricultores é de que a mortalidade dos insetos é resultado de uma série de fatores.
O pesquisador da Embrapa, Luis Fernando Wolff, afirma que a desordem é uma situação de desequilíbrio biológico extremo e engloba, entre os elementos de maior importância, o uso de agrotóxicos, a presença de parasitas transmissores de doenças e a má nutrição das colmeias. "A monocultura é outro fator grave. O cultivo de apenas uma espécie de planta limita o tipo de pólen e néctar, reduzindo a variedade proteica e nutricional na alimentação dos insetos", explica Wolff. A eliminação sistemática das ervas nativas e dos bosques circundantes também prejudica diretamente as abelhas melíferas, como indicam estudos feitos pela Embrapa.
A conexão entre os fatores de desequilíbrio potencializa os prejuízos. Segundo Wolff, a aplicação de inseticidas e acaricidas em doses subletais - que não matam instantaneamente as abelhas - e de herbicidas e fungicidas na lavoura contaminam o néctar e o pólen coletados e consumidos nas colmeias. Em vez de morrer no campo, as operárias levam os contaminantes para a colônia. "Além de matar de forma direta, o manejo errado dessas substâncias reduz a capacidade dos enxames em resistir a parasitas e outras doenças que atacam a espécie."
No Brasil, lembra o professor Gonçalves, a abelha mais utilizada para polinização e produção de mel é a africanizada (inseto resultante do cruzamento de abelhas europeias com africanas). "Esta espécie é mais resistente a ácaros e pragas. Por isso, acredito na maior influência dos defensivos agrícolas no problema."
A professora Cláudia destaca que o produtor brasileiro não foi preparado para lidar com o ecossistema dos polinizadores. "Os produtores desconhecem a importância dos insetos para suas culturas", afirma.

Fabricante promove ações para esclarecer produtor

Por Ediane Tiago
De São Paulo

No segmento dos defensivos agrícolas, os estudos sobre as causas da mortalidade das abelhas também consomem orçamento e tempo de pesquisa. "Não temos interesse em matar os insetos que são úteis para as lavouras. Nosso negócio é aplicar em tecnologia para ampliar a produtividade, não prejudicá-la", explica Silvia Fagnani, diretora de assuntos regulatórios e internacionais do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg).
Segundo ela, é perigoso determinar que a culpa é dos defensivos agrícolas, condenando os produtos. Também não dá para comparar a saúde das abelhas do Hemisfério Norte com o Sul. O clima é bem diferente. Invernos rigorosos estão entre as causas de mortalidade. "São necessários estudos locais para entender o que ocorre com as espécies atuantes por aqui", explica.
Entre os dados brasileiros, ela destaca o avanço na apicultura. "Entre 1997 e 2012, segundo o Ministério da Agricultura, a produção brasileira de mel aumentou 76% no país". Na apicultura mundial, com o manejo de colônias para reposição dos enxames, ela cita dados da FAO que indicam aumento de 45% no número de colmeias.
Na Europa, Bayer e Syngenta estão recorrendo da decisão que baniu os neonicotinoides no continente, por indicação da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar, cujo diagnóstico é de que a substância traz ameaças significativas às abelhas. As empresas alegam que não há estudos conclusivos e que novas pesquisas não relacionam as substâncias como responsáveis pela redução das colônias.
Recente estudo publicado pela Scientific American também questiona as causas para a síndrome do desaparecimento das abelhas. De acordo com a pesquisa, nos Estados Unidos, a saúde dos insetos - principalmente das rainhas - tem grande impacto na sobrevivência das colônias e são apontadas pelos apicultores como as causas principais da desordem.
Pierre Nicolas Pérès, presidente da Pomagri e da Associação Brasileira de Produtores de Maçã (BPM), não atribui a morte dos polinizadores aos defensivos agrícolas. A cultura de maçã utiliza intensamente a polinização por abelhas e, segundo ele, se aplicados de forma correta, os defensivos não causam problemas aos insetos. "Identificamos mortes nas colônias por problemas climáticos. Quando há uma frente fria fora de hora, as abelhas acabam sofrendo. Muitas morrem de frio", afirma.
Ele acredita que os investimentos constantes em pesquisa e desenvolvimento das empresas de defensivos agrícolas estão sendo suficientes para criar produtos que atuem de forma específica. "A aplicação na lavoura é feita de acordo com a praga, e o produto age só nela". Para polinizar suas árvores, Pérès mantém colmeias em sua propriedade e aluga colônias para complementar a força produtiva de seu enxame.
Para entender o ecossistema dos polinizadores e fabricar produtos que não prejudiquem os insetos, a Bayer mantém dois centros de pesquisa que estudam especificamente a saúde das abelhas, um na Alemanha e outro nos EUA. "Nossa linha inclui produtos que combatem ácaros que afetam as colmeias", diz Claudia David, diretora de comunicação da Bayer Cropscience para a América Latina.
No Brasil, destacam Cláudia e Silva, o uso indevido dos defensivos é que traz impacto na mortalidade dos insetos. "Se o agricultor seguir as instruções da bula, os produtos são inofensivos para as abelhas", afirma Cláudia. Para promover a aplicação segura, as empresas do setor estão investindo em treinamento e ações de esclarecimento junto ao produtor rural. "Também apostamos em eventos que reúnem agricultores e apicultores para que eles entendam a interdependência de seus negócios", diz Silvia.
Valorizar os polinizadores também é uma saída inteligente para ampliar a produção agrícola no Brasil, avalia o professor Breno Freitas, do departamento de zootecnia da Universidade Federal do Ceará. Em pesquisas recentes, foi possível determinar impactos positivos do uso de insetos polinizadores até em culturas ditas "pouco dependentes", como a soja, na qual a ação dos ventos contribui para a reprodução das plantas. "Identificamos aumento de 18% na produtividade, a partir do manejo de abelhas. O salto é altíssimo em uma cultura que já é bastante eficiente", afirma.
Com estatísticas tão favoráveis, Freitas acredita que haverá sinergia de interesses cada vez maior entre fabricantes de defensivos, apicultores e agricultores. "Não há como negar o impacto da polinização em culturas que precisam ampliar a produção no mesmo espaço de terra."
Ele alerta, no entanto, que é preciso estudar as abelhas silvestres, que são extremamente eficientes na polinização de lavouras com maior diversidade. "Não temos ideia dos efeitos dos inseticidas nessas espécies. Mas temos de incluí-las nas pesquisas. Esses insetos também são fundamentais para a preservação ambiental, pois tendem a ser 'especialistas' em algumas plantas." No geral, as espécies silvestres são mais produtivas.

Aluguel de colônias rende mais que a venda de mel

Por Ediane Tiago
De São Paulo

Abelhas são levadas às lavouras e ficam 30 dias polinizando a região
O manejo e o aluguel de colônias para polinização de culturas já é um negócio mais lucrativo que a produção de mel. Nos Estados Unidos, o aluguel de cada colmeia - com cerca de 50 mil insetos - custa US$ 150. No Brasil, o contrato pode chegar a R$ 65 reais por colônia, durante a florada. Os enxames são transportados por caminhão para as lavouras que dependem das abelhas para produzir. No Sul do Brasil, a cultura da maçã é a que mais utiliza o recurso. "Já falta abelha para a demanda", comemora o apicultor Roberto Althaus Iurkevicz.
Em sua propriedade no interior de Santa Catarina, ele já investiu R$ 1,5 milhão em abelhas. Mantém 4,2 mil colmeias. Parte delas dedica à produção de mel orgânico, a outra reveza na migração para culturas no Sul do Brasil. "Estou realizando 4,5 mil contratos de aluguel por ano. A receita anual só com esta atividade chega a R$ 300 mil e ela é mais lucrativa que a produção de mel", afirma Iurkevicz.
Ele explica que as abelhas são levadas às lavouras no momento da florada e ficam, em média, 30 dias polinizando a região. O número de colmeias alugadas depende do tamanho da área, uma vez que a autonomia de voo das operárias é de cerca de três quilômetros. Para o negócio dar certo, Iurkevicz explica que é necessário cuidar muito bem das colônias, o que inclui medir se há alimento suficiente para os enxames. "Além da quantidade de alimento, temos de verificar a qualidade. Se há deficiência de proteína, é preciso complementar a alimentação." Ele não extrai o mel das colmeias utilizadas na polinização para não enfraquecer os exames.
Outra estratégia para manter as colônias fortes, saudáveis e produtivas, está na busca de zangões em áreas distantes para cruzar com as rainhas. "A variedade genética é importante para que a espécie fique menos suscetível a pragas e doenças", comenta.
A principal ameaça aos insetos - pela observação que faz há 16 anos - são os agrotóxicos ilegais, contrabandeados do Paraguai. "Esses defensivos são feitos para matar tudo o que está pela frente", afirma. Tirando episódios isolados de perda de colônias em culturas próximas a áreas de uso desses defensivos, Iurkevicz não registrou problemas de mortalidade excessiva em suas abelhas. "O manejo de qualidade é fundamental para manter os insetos fortes."
Para proteger as abelhas é preciso conhecer a extensão do problema no Brasil. Com este objetivo, os idealizadores da campanha "Bee or not to be?" - iniciativa de um grupo de pesquisadores liderados pelo Centro Tecnológico de Apicultura e Meliponicultura do Rio Grande do Norte (Cetapis), da 6P Marketing e Propaganda e apoio da Confederação Brasileira de Apicultura - lançou o aplicativo BeeAlert, uma plataforma online com recursos de georeferenciamento para agrupar dados sobre as perdas de colônias no país.
"Qualquer pessoa pode entrar no sistema, cadastrar-se e relatar ocorrências", afirma Daniel Malusá Gonçalves, diretor da 6P Marketing & Propaganda. O acesso pode ser realizado por computadores, tablets ou celulares. O sistema está hospedado no site da campanha de proteção (www.semabe lhasemalimento.com.br/beealert).
A estratégia é oferecer um meio fácil para ingresso de informações sobre perda de colônias e mortalidade de abelhas, com coleta das possíveis causas para o problema. "Assim poderemos criar um banco de dados com informações detalhadas por região para ampliar as análises sobre a mortalidade das abelhas no Brasil", afirma Gonçalves.

Valor Econômico, 29-31/03/2014, Especial, p. G4

http://www.valor.com.br/empresas/3499796/sumico-das-abelhas-preocupa-ci…

http://www.valor.com.br/empresas/3499798/fabricante-promove-acoes-para-…

http://www.valor.com.br/empresas/3499800/aluguel-de-colonias-rende-mais…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.