VOLTAR

Saúde e autonomia em debate nas tribos de Roraima

G1
19 de Out de 2007

Encontro de índios aconteceu na reserva Raposa Serra do Sol. Força Aérea Brasileira aproveitou para prestar atendimento médico aos indígenas.

Índios de Roraima participaram de um encontro, na reserva Raposa Serra do Sol, para discutir saúde e a autonomia das tribos. A Força Aérea Brasileira aproveitou a reunião para prestar atendimento médico.

O helicóptero da Força Aérea Brasileira pousa na aldeia Manalai, norte de Roraima, onde vivem os índios ingaricó. A aeronave traz remédios e alimentos para as famílias indígenas.

Oito especialistas, entre médicos, dentistas e enfermeiros, acompanham a missão da força aérea. Numa sala de aula da aldeia os militares montaram um consultório médico.

Na aldeia vivem 244 índios. Não há saneamento básico. Os médicos diagnosticaram vários casos de vermes intestinais principalmente, em crianças. "São doenças veiculadas por água não tratada, por consumo de alimentos sem lavar. São coisas que, pouco a pouco, por meio de orientação, palestras, a gente consegue trazer esses conceitos para os índios", afirma a médica Karine Thiemy.

A dança do aleluiá é para dar boa vindas aos visitantes, celebrar a união dos povos indígenas.

A saúde e outros temas, como políticas para autonomia e sustentabilidade dos índios, foram discutidos na 4ª Assembléia do Conselho do Povo Indígena Ingaricó. O encontro mobilizou comunidades inteiras de índios vindos da região Serra do Sol. Além dos índios macuxi, do Sul de Roraima, índios patamona e uacauaio, da divisa do Brasil com a Guiana, e os taurepang, da divisa com a Venezuela.

Para colocar em ação as propostas elaboradas durante o encontro, representantes da Funai, Ibama e dos indígenas formaram um grupo de trabalho. "É administração conjunta, onde eles poderão discutir projetos com os dois órgãos governamentais que, posteriormente, esse grupo de trabalho se transformará em conselho de administração", diz o administrador da Funai Gonçalo Teixeira.

As propostas elaboradas pelo grupo de trabalho serão encaminhadas aos Ministérios da Justiça e do meio ambiente.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.