VOLTAR

Satélite revela e assentados são autuados por desmatamento provocado há 5 anos

Campo Grande News - https://www.campograndenews.com.br
Autor: Danielle Valentim
28 de jun de 2018

Satélite revela e assentados são autuados por desmatamento provocado há 5 anos

Danielle Valentim

PMA recebeu 634 vistorias de possíveis desmatamentos ilegais levantados por imagem de satélites na bacia do rio Paraguai

Durante a Operação Cervo-do-Pantanal em propriedades rurais de Terenos, a 25 km de Campo Grande, policiais militares ambientais autuaram dois assentados por plantio de pastagem e desmatamento ilegal. Imagens de satélite revelaram o crime ambiental praticado de 2013 a 2014.

Um dos proprietários, de 49 anos e residente em Sidrolândia, foi multado em R$ 4.950,00 pelo desmatamento de 4,95 hectares em sua propriedade no assentamento Patagônia.

O segundo de 36 anos foi multado em R$ 1.880,00, pelo desmatamento de 1,88 hectares em sua propriedade localizada no mesmo assentamento.

Os desmatamentos verificados por imagem de satélites e as medidas tomadas com uso de GPS ocorreram entre os anos de 2013 a 2014. A madeira produto da supressão não se encontrava no local.

A dupla foi notificada a apresentar um Plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada (PRADA) junto ao órgão ambiental estadual.

OPERAÇÃO CERVO-DO-PANTANAL - A PMA recebeu 634 vistorias de possíveis desmatamentos ilegais levantados por imagem de satélites na bacia do rio Paraguai pelo Núcleo de Geoprocessamento (NUGEO) do Ministério Público Estadual (MPE).

Durante a operação, Subunidades da PMA também efetuaram autuações em Sonora, Bandeirantes, Bonito, Guia Lopes da Laguna, Jardim, Nioaque, Bandeirantes, Jaraguari, Campo Grande, São Gabriel do Oeste, Bela Vista, Miranda, Caracol, Bela Vista, Porto Murtinho, Aquidauana, Anastácio, Camapuã, Coxim, Maracaju, Terenos e Sidrolândia.

https://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/satelite-revela-e-as…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.