VOLTAR

"Revelando São Paulo" reúne artesanato, gastronomia e educação ambiental

Fundação Florestal - http://fflorestal.sp.gov.br/
27 de mai de 2015

Fundação Florestal participa do evento e destaca a importância das Unidades de Conservação no Vale do Ribeira

De 3 a 7 de junho, das 10h às 21h, acontece a 12a edição do "Revelando São Paulo Vale do Ribeira". Na semana do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho, a Fundação Florestal participará do evento apresentando todas as Unidades de Conservação (UC) que administra no Vale do Ribeira.

O encontro é aberto a grupos culturais, prefeituras do Vale do Ribeira, órgãos públicos e visitantes, destacando as diversas manifestações culturais de todo o Estado de São Paulo, com o objetivo é proporcionar a troca de experiências por meio da articulação entre comunidades e difusão do conhecimento para um público ainda maior, na capital ou nas outras centralidades urbanas, onde ocorre o Festival.

A Fundação Florestal espera transmitir por meio do evento seu papel na sociedade e importância dos trabalhos realizados, contribuindo para a educação ambiental. "Revelando São Paulo", conta com a parceria da Prefeitura Municipal de Iguape, Secretaria de Estado da Cultura e Fundação Florestal.

Sobre o Vale do Ribeira

O Vale do Ribeira está localizado em dois estados, São Paulo e Paraná. A região tem um alto grau de preservação de suas matas e uma ampla diversidade ecológica. São 21% dos remanescentes de Mata Atlântica existente no Brasil, onde é possível encontrar além das florestas, restingas, e manguezais, terras indígenas, quilombolas e bairros rurais. Sua extensão contempla 31 municípios, sendo 22, no estado de São Paulo. Animais como o beija-flor rajado, boto cinza e mico-leão-da-cara-preta são endêmicos da região. Só no Vale, são cadastradas pela Sociedade Brasileira de Espeleologia 273 cavernas e ainda tantas outras não descobertas, seu patrimônio não para ai, lá está a maior quantidade de sítios tombados no Estado de São Paulo, 158 no total, entre eles, sítios líticos (pedra), sítios cerâmicos, sambaquis, abrigos e grutas e cemitérios indígenas. Por todos esses motivos a região é considerada Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO.

As Unidades de Conservação da Fundação Florestal

As 36 Unidades de Conservação (UC) administradas pela Fundação Florestal que estão localizadas no Vale do Ribeira geram recursos financeiros para as comunidades através do ecoturismo, protegendo e mantendo as comunidades tradicionais. Cavernas e recursos hídricos são conservados, além da preservação de espécies ameaçadas de extinção, como a onça-pintada e mono carvoeiro, encontrados, por exemplo, no Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR). As Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Quilombos de Barra do Turvo, RDS Barreira Anhemas e a Área de Proteção Ambiental (APA) Quilombos do Média Ribeira ampliam o desenvolvimento e preservação do ambiente e das comunidades quilombolas da região.

O Parque Estadual Rio Turvo além de suas cavernas, em seu núcleo Capelinha foi encontrado "Luzio" o esqueleto fossilizado de um homem, considerado o mais antigo registro de ocupação humana dentro do Estado de São Paulo. As águas protegidas do Vale passam por dentro das unidades, no Parque Estadual Itinguçu a Cachoeira do Paraíso é a mais visitada de Peruíbe o Parque Estadual Ilha do Cardoso (PEIC) possui manguezais além de ser um importante centro de pesquisas científicas e no Parque Estadual do Prelado está a praia da Juréia, vale destacar a Trilha do Telégrafo ou Trilha do Imperador que passa por dentro da Estação Ecológica Juréia Itatins (EEJI), esse caminho foi aberto por escravos no século XIX e vai de Peruíbe a Iguape e a Estação Ecológica de Chauás abriga o papagaio da cara-roxa que está ameaçado de extinção. Cada modalidade de Unidade existe para preservar conforme a necessidade da região e da biodiversidade ali presente, garantindo a sobrevivência das florestas, da história e da cultura local.

http://fflorestal.sp.gov.br/2015/05/27/revelando-sao-paulo-reune-artesa…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.