VOLTAR

Retirada de Posseiros da Aldeia Urubu Branco pode se transformar em Tragédia.

Agência da notícia - http://agenciadanoticia.com.br/
Autor: Ari Dorneles
11 de ago de 2009

Agentes do IBAMA, FUNAI e Polícia Federal estão neste momento seguindo para a Aldeia Urubu Branco onde devem cumprir um mandato de desocupação emitido pelo Juiz da 5ª Vara de Cuiabá José Pires.

De acordo com a Operação denominada Urubu Branco conta com a participação de aproximadamente 30 pessoas e a intenção é retirar posseiros que estão dentro da reserva indígena.

Com Exclusividade o Cacique da Aldeia Carlos Kaorioi falou ao site Agência da Notícia que cerca de 80 famílias estão morando dentro da reserva indígena, ainda segundo o Cacique o impasse com os posseiros já dura cerca de 5 anos, e que inclusive a FUNAI já teria pago aos posseiros para que deixassem as terras. "Essa situação já dura 5 anos, e eles já receberam da FUNAI para desocuparem a área, queremos que eles deixem as nossas terras porque é um direito nosso", explicou o Cacique.

O Cacique ainda deu mais detalhes sobre a permanência dos posseiros que segundo ele, além de residir com as famílias na terra indígena ainda plantam, colocam o gado e tiram o sustento da família das terras.

Ele ainda explicou que o clima está tenso no local porque os posseiros segundo ele estão fortemente armados. "A informação que temos é que essas famílias estão fortemente armadas, e inclusive já contrataram pistoleiros e que vão resistir quando a Polícia Federal e os agentes chegarem ao local", explicou o Cacique.

O Total da área indígena Urubu Branco é de 5 mil hectares. Ainda segundo o Cacique os posseiros retiram das áreas madeira ilegalmente como: Pau Brasil, Jatobá e outras madeiras. "Eles retiram tudo das nossas terras, as madeiras nobre e que é do nosso povo", finalizou o Cacique da Aldeia Urubu Branco que é considera uma das aldeias mais civilizadas do Pais.

http://agenciadanoticia.com.br/noticias/agricola/9131198/Retirada%20de%….

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.