VOLTAR

Resex Renascer: por que não?

Tamuá - http://www.mais.to.it
29 de set de 2008

2001: Entrada dos primeiros madeireiros comerciais na região.

2002: Os conflitos entre comunidades locais e madeireiros se acirram.

9 nov. 2004: Criação da RESEX Verde para sempre. A região dos rios Guajará, Tamuataí e Uruará é tirada da área desta RESEX por pressões de parte do poder público local e estadual.

2004: Resistência de parte das comunidades ao ingresso dos madeireiros nas terras e lutas, com o apoio do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Prainha, para a criação de uma outra RESEX, a Renascer.

5-6 out. 2006: Um grupo de comunitários "prende" umas balsas cheias de toras, descendo o rio Uruará. O dia seguinte, a Polícia Militar libera o transito das balsas. Toda a madeira carregada era oriunda de extração ilegal.

Nov. 2006: Conflitos entre os comunitários e a Polícia sobre o transito pelo rio da madeira ilegal. O Governo Estadual, já "de saída" decreta a criação de áreas de proteção na região da futura RESEX, para privá-la de uma porção abundante de terras e entregar-la aos madeireiros. 20 lideranças são ameaçadas de morte.

Dez. 2006: A Justiça Federal do Pará emite uma decisão liminar impedindo a criação das áreas de proteção e impõe ao IBAMA um prazo de 30 dias para a criação da RESEX Renascer.

13 dez. 2007: O Instituto Chico Mendes (criado a partir da divisão do IBAMA) realiza a Consulta Pública, último ato administrativo para a criação da RESEX.

Mai. 2008: O processo da criação da RESEX sai do Instituto Chico Mendes, para passar para a Casa Civil, onde o decreto de criação da RESEX teria que ser assinado.

Porém, os limites da RESEX continuam sendo em negociação, enquanto que as madeireiras seguem explorando ilegitimamente as florestas da região.

http://www.mais.to.it/tamua/tamua_pt/index.php?entry=entry080929-033816

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.