VOLTAR

Resex Ipaú-Anilzinho combate exploração ilegal de madeira

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/
Autor: Comunicação ICMBio
16 de dez de 2019

Resex Ipaú-Anilzinho combate exploração ilegal de madeira

Fiscais do ICMBio e Polícia Militar do Pará encontraram 17 árvores nativas derrubadas.

Uma equipe de fiscalização da Reserva Extrativista (Resex) Ipaú-Anilzinho, no Pará, realizou uma operação de fiscalização para combater a extração ilegal de madeira no interior da unidade, de 11 a 15 de dezembro. A ação, deflagrada a partir de denúncias, contou com o apoio da Polícia Militar do Pará e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).

Depois do planejamento da ação, a equipe realizou a vistoria na área denunciada. No local, eles encontraram um ramal antigo e identificaram o corte de 17 árvores nativas, abrangendo angelins e maçarandubas, que são espécies ameaçadas de extinção e protegidas por lei estadual. A equipe realizou a lavratura de auto de infração e apreensão de aproximadamente 190 metros cúbicos de madeira em tora. Além disso, a área foi isolada para evitar novas ameaças de cortes de árvores.

A madeira apreendida será doada para associações locais como forma de apoiar o desenvolvimento de projetos comunitários que contribuam para a valoração econômico-ecológica das práticas extrativistas. O coordenador de Proteção Ambiental da Resex avalia que a operação foi realizada com sucesso, buscando dar uma resposta rápidas às denúncias recebidas a fim de impedir a continuidade do ilícito ambiental. Para 2020, o objetivo é intensificar as ações preventivas de fiscalização, trabalhando com métodos de inteligência e de monitoramento aéreo com o uso de drone.

http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/10752-resex-i…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.