VOLTAR

Resex Chico Mendes é a que a mais sofre pressão do desmatamento

((o))eco - http://www.oeco.org.br/
Autor: Sabrina Rodrigues
27 de fev de 2019

Resex Chico Mendes é a que a mais sofre pressão do desmatamento
27 fevereiro 2019 19:38

Por Sabrina Rodrigues

De agosto a outubro de 2018, a Reserva Extrativista Chico Mendes, localizada no Acre, perdeu 5.900 hectares de área verde. Junto com a Floresta Extrativista Rio Preto-Jacundá, em Rondônia, que perdeu 5.800 hectares nesse mesmo período, lidera o ranking das unidades de conservação mais pressionadas da Amazônia. Os dados são do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

De acordo com o Imazon, que realiza de forma independente o monitoramento do desmatamento da Amazônia, 1.176 km² foram derrubados nesses três meses, isso significa um aumento de 60% em relação ao mesmo período em 2017. O desmatamento é contado a partir de agosto de um ano e termina em julho do ano seguinte.

O Imazon pretende publicar a cada trimestre um relatório simples sobre ameaças e pressões de áreas protegidas na Amazônia. A diferença de um para outro é que ameaça significa o risco iminente de ocorrer desmatamento no interior de uma Área Protegida (AP). Já pressão ocorre quando o desmatamento se manifesta no interior da Área protegida.

A Resex Chico Mendes, pressionada por dentro pelo desmatamento, também lidera o ranking de mais ameaçada. Entre agosto e outubro, no seu entorno próximo (até 10 km dos limites da unidade), 4.000 hectares foram desmatados. A unidade está em uma região que há pressão para expansão da fronteira agrícola. A maior ameaça é a pecuária.

No todo, ocorreu 891 (62%) ameaças e 543 (38) pressões em áreas protegidas na Amazônia.

A terra indígena mais pressionada é a TI Apyterewa, localizada em São Félix do Xingu, no Pará, e que pertence ao povo Parakanã. A terra indígena sofre com a invasão de madeireiros. Segundo dados do Imazon, 4.000 hectares foram derrubados na terra indígena no período.

https://www.oeco.org.br/noticias/resex-chico-mendes-e-a-que-a-mais-sofr…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.