VOLTAR

Representantes da Funai visitam índios da tribo Kiriri que ocuparam terras na zona rural de Caldas, MG

G1- http://g1.globo.com
19 de mai de 2017

Representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) estiveram em Caldas (MG) para colher mais documentos e dados sobre a tribo Kiriri. Os índios são de Muquém de São Francisco, no Sul da Bahia, e desde outubro do ano passado estão no Sul de Minas. Antes da ocupação da área no bairro Rio Verde, eles estavam em uma chácara alugada na cidade.

De acordo com o coordenador regional da Funai, Rudson Madureira Batista, a tribo Kiriri já foi reconhecida como povo indígena. Segundo ele, o processo se deu após uma pesquisa sobre as origens e verificação de documentos.

"Primeiro, desmistificar comentários que tinham em redes sociais dizendo que não seriam indígenas. Eles são indígenas sim, originários da Bahia, da tribo Kiriri, alguns casados com Pankaru também", disse o representante da Funai.

Ainda segundo o coordenador, o próximo passo é enviar ao Governo de Minas uma solicitação para que o caso da ocupação de terras em Caldas seja discutido na mesa de conflitos e diálogos dos governantes. Segundo Batista, isso pode acontecer na próxima semana. Um relatório também será entregue em Brasília.

"Trata desses assuntos de ocupação de terras e propriedades por indígenas, quilombolas e outros. Nós vamos tentar negociar com o Estado", disse Batista.

Enquanto aguarda por uma resposta, a tribo Kiriri continua na área em Caldas. No local, os índios já construíram oito casas, onde moram 23 índios. O cacique afirma que mais famílias devem chegar nos próximos dias.

"Geralmente vem só os maridos e as mulheres ficam para trás com os filhos. Então alguns retornaram, mas eu acho que até o final do mês de junho, quando estiver acabando o frio, eles devem chegar aqui", disse o cacique da tribo, Ademilson de França Santos.

http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/representantes-da-funai-vis…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.