VOLTAR

Quatro indígenas morrem de diarréia em aldeia do Jordão

Página 20-Rio Branco-AC
30 de out de 2002

Uma aldeia do povo Kaxinawa, localizada a dois dias de barco do município do Jordão, a 450 quilômetros de Rio Branco, teve quatro crianças entre três e 17 anos de idade mortas no último final de semana. A informação é da coordenadoria da União das Nações Indígenas (UNI), que recebeu ontem a informação extra-oficial de um fiscal responsável pela área.

As informações da tragédia ainda são escassas, desencontradas. Mas, de acordo com a UNI, as crianças teriam sido vítimas de alguma espécie de veneno adquirido em contato com a água ou com alguns alimentos. Presas de forte disenteria, as crianças não resistiram e morreram. Ontem uma equipe mista de técnicos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e da UNI se deslocou até o local do acidente. A missão: descobrir a causa das mortes.

"Pelas informações que nos chegaram até agora, isso pode ter ocorrido por alguma contaminação na água ou em algum alimento sólido estranho, já que os indígenas têm um bom conhecimento da mata e sabem, inclusive os mais novos, por recomendação dos adultos, o que devem e o que não devem consumir da floresta", disse o diretor da entidade, Francisco Kaxinawa.

Na fiscalização no município de Jordão as informações são desencontradas. Há boatos, inclusive, de que os meninos ainda estariam vivos, de que teriam contraído cólera e até mesmo que tenham sido contaminados propositadamente por fazendeiros que moram nos arredores. Por enquanto nenhuma das informações foi concretizada. Nem mesmo as das mortes.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.