VOLTAR

Proposta tenta manter comunidade na Jureia

OESP, Vida, p. A26
24 de out de 2012

Proposta tenta manter comunidade na Jureia

GIOVANA GIRARDI

Uma reunião entre deputados, moradores, ambientalistas e cientistas ontem, na Assembleia Legislativa de São Paulo, resultou em uma nova proposta para tentar solucionar o impasse em torno da Estação Ecológica Jureia-Itatins, no litoral sul do Estado.
A reserva de 80 mil hectares enfrenta desde a sua criação, em 1986, o problema de ter sido estabelecida como uma unidade de conservação de proteção integral em uma área ocupada por populações tradicionais. A questão fundiária não foi resolvida e muitos continuaram no local.
Neste ano, o governo do Estado apresentou um projeto de lei que transforma a estação ecológica em um mosaico de unidades de conservação com diferentes graus de proteção. As áreas mais povoadas - Barra do Una e Despraiado - seriam transformadas em duas Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS).
Menos restritivas ao uso, elas contemplariam cerca de 80% da população tradicional que vive no local, segundo cálculos da Fundação Florestal. O dilema, como mostrou o Estado no dia 14, é que algumas famílias que ficaram de fora desse desenho obtiveram o apoio de deputados do PT para ampliar a flexibilização.
No final de junho, foi costurada uma emenda aglutinativa que ampliava o tamanho das duas RDSs previstas e criava uma terceira - a da Trilha do Imperador. A proposta, que quase foi votada, comprometia, segundo ambientalistas, a área de maior riqueza biológica da Jureia.
Ontem, o deputado do PV Beto Trícoli, líder da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia, convocou uma reunião com todas as partes. Ao final, decidiu-se que um novo texto será elaborado, sob coordenação da comissão, a fim de conciliar a proteção ambiental com o cuidado com as comunidades tradicionais.
"Entendemos que o que se pretendia com a nova RDS era garantir a permanência das famílias que ficaram de fora das outras duas. Acreditamos que é possível contemplá-las de forma que nem se amplie o território nem descaracterize a extensão contínua de Mata Atlântica, que vai desde a borda de praia até topo de morro", diz.
A ideia é deixar claro na nova redação a permanência dessas pessoas - que de outro modo teriam de ser indenizadas e sair ou se mudar para uma das RDSs ou assinar um termo de permanência, mas sem perpetuidade. A proposta é ter um capítulo dizendo que elas podem ficar, mas dentro de um plano de manejo que controle suas atividades. Trícoli quer finalizar o texto em 30 dias e votá-lo ainda neste ano.

OESP, 24/10/2012, Vida, p. A26

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,proposta-tenta-manter-comun…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.