VOLTAR

Projeto incentiva plantio de araucária

OESP, Agrícola, p. G12
17 de jan de 2007

Projeto incentiva plantio de araucária
Objetivo é distribuir 1 milhão de mudas; até agora foram apenas 50 mil

Niza Souza

O Projeto Araucária, do Fundo Florestar, foi criado em 2002 para incentivar o plantio desta espécie, conhecida como o pinheiro brasileiro, que está ameaçada de extinção em São Paulo. A araucária, que já ocupou mais de 60 mil hectares no Estado, hoje ocupa pouco mais de 1,5 mil hectares. Nestes cinco anos, o projeto distribuiu em torno de 50 mil mudas, gratuitamente. "Mesmo assim ainda é pouco diante da necessidade de se evitar a extinção da espécie em terras paulistas", analisa o coordenador do projeto, Décio Hungria Lobo, que também é presidente do Fundo Florestar.

O projeto é voltado, principalmente, para a região sul do Estado e áreas de altitude elevada, como as serras da Mantiqueira e da Cantareira. Segundo o coordenador do projeto, o objetivo é plantar, no mínimo, 1 milhão de mudas. "Estas regiões têm vocação para abrigar essa quantidade de mudas. Só a partir daí podemos instalar um processo de regeneração natural da espécie", ressalta Lobo. Até agora, o projeto continua na fase de implementação, com a distribuição de mudas.

Produção

Lobo lembra que a araucária produz madeira de excelente qualidade, além de frutos comestíveis, os pinhões. "Mas o produtor deve pensar que o grande investimento é ecológico, pois quem plantar estará ajudando a preservar uma planta em extinção em nosso Estado", explica. Outros estados, como Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, têm programas próprios de preservação do ecossistema araucária.
Saiba mais:Fundo Florestar, tel. (0--11) 5073-9444. Pedido de mudas no e-mail: decio@floresta.org.br

OESP, 17/01/2007, Agrícola, p. G12

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.