VOLTAR

Projeto de Dorothy é cenário de faroeste

FSP, Poder, p. A20
30 de jan de 2011

Projeto de Dorothy é cenário de faroeste
Seis anos após morte de missionária no Pará, programa de agricultura familiar enfrenta ameaças e desmatamento ilegal
Antes unidos em torno da religiosa, assentados perderam confiança em instituição e racharam em dois grupos rivais

João Carlos Magalhães
Enviado especial a Anapu (PA)

Quase seis anos após a morte da missionária Dorothy Stang, um dos marcos da violência agrária na Amazônia, seu projeto de uso sustentável da floresta no assentamento Esperança, em Anapu (PA), desmoronou.
Em vez de agricultura familiar numa floresta preservada, como a religiosa defendia, o PDS (Projeto de Desenvolvimento Sustentável) em que ela foi assassinada se tornou um cenário de faroeste -com divisões internas, ameaças públicas de morte e desmatamento ilegal.
A americana naturalizada brasileira Dorothy Stang foi morta com seis tiros em 12 de fevereiro de 2005, aos 73 anos, no PDS Esperança.
Cinco pessoas foram condenadas como mandantes ou autoras do crime (leia texto nesta página).
No ano passado a tensão voltou ao local. Aumentou a venda de lotes -80% deles já foram negociados, diz a CPT (Comissão Pastoral da Terra)- e as invasões. Segundo o Incra, 22 famílias estão em áreas de reserva ambiental.
A associação de moradores passou para as mãos de um grupo ligado ao prefeito Francisco de Assis Souza (PT). Ex-pupilo de Dorothy, ele tem como vice o fazendeiro Délio Fernandes, apontado como interessado na morte dela -ele nega.
Muitos trabalhadores rurais que seguiam a missionária começaram a desmatar, acuados pela miséria.
"Não tem de onde tirar dinheiro", disse Welton de Aquino, um dos três moradores que admitiram à Folha terem vendido toras, o que é ilegal. No caso dele, foram 15 toras em troca de R$ 5.000.
"Se a Dorothy estivesse aqui, a gente não estava nessa situação", afirmou a mulher de Welton, Roseni Gomes de Lima, sob uma foto da religiosa colada na parede de seu barraco de tábuas.
O culto a Dorothy continua, mas a confiança nos membros da CPT, da qual a missionária fazia parte, diminuiu. Parte dos moradores disse à Folha que foram pessoas ligadas à comissão que começaram a lucrar com os desmatamentos, dando sinal de que a prática era aceitável.
Antes unido sob Dorothy, o PDS Esperança está hoje rachado: há os que apoiam a associação ligada ao prefeito e os que continuam seguindo os passos da CPT, liderada pelo padre José Amaro.

AUDIÊNCIA
Depois de protestos feitos por ambos os lados neste mês, que levaram ao fechamento de estradas e exigiram a ida de homens da Força Nacional de Segurança para Anapu, o governo federal organizou uma audiência pública na última terça-feira, que a Folha acompanhou.
Na audiência, Josildo Carlos de Freitas, do Sindicato de Trabalhadores Rurais e também ligado ao prefeito, pegou o microfone para dizer ao padre Amaro, em frente à plateia de cerca de mil pessoas, que seria melhor se ele pedisse transferência de cidade, "para seu próprio bem". "Ouvi dizer que você já cheira a defunto", disse.
Amaro e Jane Dwyer, missionária da mesma congregação de Stang, veem na tentativa de culpar a CPT pelo início do desmatamento uma nuvem de fumaça.
"O que eles [prefeito e Délio Fernandes] querem é ter toda aquela madeira para eles. Já falavam a mesma coisa da Dorothy", disse Dwyer.
Para ela, a eleição do prefeito foi o estopim para a volta da tensão. "Ele manipula o povo", disse.

SAIBA MAIS

Missionária foi morta após conflito agrário

DO ENVIADO A ANAPU (PA)

Foi a defesa do Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Esperança que levou à morte da missionária Dorothy Stang, em 2005, segundo o Ministério Público do Pará.
Investigações sobre o crime indicaram que as acusações dela atrapalhavam os planos de Regivaldo Pereira Galvão, o Taradão, e de Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, ao mostrar que eles tentavam, ilegalmente, ter a posse de um lote do assentamento, criado em 2004.
Dorothy sustentava que Taradão tinha documentos falsificados do lote 55. Bida seria uma espécie de preposto dele no local.
Bida e Taradão foram condenados como mandantes, apesar de o último esperar em liberdade a decisão sobre um recurso. Eles negam o crime.
(JCM)

FSP, 30/01/2011, Poder, p. A20

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po3001201109.htm
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po3001201110.htm

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.