VOLTAR

População indígena integra ações de inclusão social e produtiva

Cenário MT - http://www.cenariomt.com.br
20 de abr de 2016

Mato Grosso tem 43 etnias e uma população aproximada de 50 mil índios. Este público está na mira da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas) dentro das ações de inclusão social e produtiva do Programa Emprega Rede voltadas aos povos tradicionais e em situação de vulnerabilidade.

O secretário Valdiney de Arruda, titular da Setas, observa que é a primeira vez que o Governo do Estado prioriza a população indígena. "Temos a orientação para que nenhum cidadão seja deixado para trás. Para criarmos políticas públicas que contribuam efetivamente com a melhoria da qualidade de vida dos povos tradicionais precisamos ter em mãos um diagnóstico social em mãos, e é isso que estamos começando a fazer na Setas", explica o gestor.

A população indígena tem acesso a programas sociais como o Bolsa Família, porém, o que o Governo do Estado está propondo é dar condições para que estes cidadãos se qualifiquem e sejam produtivos dentro do seu próprio habitat. "Não queremos simplesmente ofertar cursos de qualificação. Queremos entender quais cursos atenderão à realidade de cada etnia de maneira que proporcione renda e auto sustento aos indígenas", pondera.

As primeiras discussões em torno da criação de políticas públicas com este foco tiveram início em setembro de 2015, quando o secretário recebeu líderes da etnia ikpeng, do Parque Nacional do Xingu. No início deste mês, Valdiney de Arruda visitou os ikpeng na aldeia Muygu. Ele foi acompanhado do secretário de Estado de Cidades, Eduardo Chiletto e da secretária adjunta de Assistência Social, Marilê Ferreira e conheceram de perto a realidade daquela população.

Neste dia 22 de abril Valdiney de Arruda estará na aldeia São Marcos, município de Barra do Garças, também com o propósito de conhecer as condições de vida dos moradores, dando uma devolutiva a reunião ocorrida na Setas no segundo semestre do ano passado com líderes xavante daquela região.

Em junho, a Setas participará da assembleia geral dos povos indígenas e que reunirá as 43 etnias na aldeia Umutina, em Barra do Bugres. "Será uma grande oportunidade de nos aproximarmos da realidade da população indígena mato-grossense e garantirmos subsídios para nosso planejamento estratégico", prevê o secretário.

Dia do Índio

Nesta terça-feira (19.04), Dia do Índio, o secretário Valdiney de Arruda participou do encerramento do evento Aldeia de Vivências que encerrou o projeto Territórios Criativos, acompanhado do assistente social e coordenador das ações voltadas à população tradicional da secretaria adjunta de Assistência Social (SAAS), Aparecido Cavalcanti.

Em seguida, ambos se reuniram com líderes das etnias bakairi, umutina, xavante e chiquitano - todas envolvidas no projeto Territórios Criativos -, e apresentaram a proposta de inclusão socioprodutiva do Governo do Estado para os povos indígenas. Paulo Kipossé Xavante entendeu o propósito da gestão pública estadual.

"Nós estamos nos organizando para garantir políticas públicas que atendam toda a população indígena do Estado. Por isso estamos organizando a assembleia geral e dela vamos tirar os representantes que serão nossos interlocutores", afirmou o líder.

Helena Corezonaé, da etnia umutina, também reconheceu a importância da união em busca de novos horizontes para os povos indígenas, principalmente, em relação ao desenvolvimento social e econômico.

"Nós estamos abertos para ouvir vocês, para o diálogo permanente com vistas ao estabelecimento de políticas concretas e perenes em benefício não só dos indígenas, mas de todos os povos tradicionais", acrescentou o secretário Valdiney de Arruda, lembrando que este processo está dentro do Emprega Rede, programa de governo que tem como meta erradicar a extrema pobreza no estado por meio da inclusão socioprodutiva do público vulnerável.

http://www.cenariomt.com.br/noticia/516446/populacao-indigena-integra-a…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.