VOLTAR

Polícia do AP vai investigar autoria de 'lixeiras viciadas' na APA do Curiaú

G1 - http://g1.globo.com/
Autor: John Pacheco
27 de ago de 2013

A Delegacia de Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema) iniciou uma investigação para apurar as responsabilidades pelas 'lixeiras viciadas' formadas ao longo da Rodovia AP-070, na Área de Proteção Ambiental (APA) da comunidade do quilombo do Curiaú, a 7 quilômetros de Macapá.

O local tem se tornado alvo frequente para a destinação de lixos, despejados por encarregados de empresas locais e moradores de outros bairros de Macapá, segundo informou o delegado Sávio Pinto, titular da Dema.

Os pontos transformados em lixeiras, denominadas viciadas por receberem lixo com frequência, iniciam na vila de Casa Grande, onde são encontrados resíduos domésticos, entulhos, carcaças de eletrodomésticos e lixo orgânico. A prática ocorre mesmo em locais onde há placas indicando que é proibido jogar lixo. O titular da Dema, Sávio Pinto, calculou cerca de 15 lixeiras viciadas ao longo da AP-070.

O morador do Curiaú Renato Ramos, de 35 anos, contou que observa sempre a passagem de caminhões com lixo, e vê, com revolta, segundo reforçou, a sujeira ao longo da comunidade. "O cheiro ao longo da rodovia chega a ser horrível. Quem mora aqui se sente incomodado. A Sema [Secretaria Estadual de Meio Ambiente] fiscaliza e coloca a culpa em quem mora aqui", reclama Ramos.

A investigação da Dema começou após constatação de lixeiras ao longo da rodovia. Segundo o delegado, os responsáveis que forem identificados serão punidos por crime ambiental. "A área foi mapeada e os pontos identificados, e serão, a partir de agora, monitorados. Já tomamos providências para a identificação dos poluidores", reforça Sávio Pinto.

O delegado também cobra maior postura dos profissionais do posto da Polícia Militar, localizado dentro da APA do Curiaú.

http://g1.globo.com/ap/amapa/noticia/2013/08/policia-do-ap-vai-investig…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.