VOLTAR

PF prende oito suspeitos de construir casas dentro de unidades de conservação em Fernando de Noronha

ICMBio - www.icmbio.gov.br
30 de jun de 2008

A Polícia Federal prendeu oito pessoas em Fernando de Noronha. Elas são suspeitas de construir casas dentro das unidades de conservação locais - o Parque Nacional Marinho e a APA (Área de Preservação Ambiental). Batizada de Operação Arquipélago, o trabalho envolveu 40 policiais, que passaram o fim de semana na ilha para cumprir os mandados de prisão. Os presos foram transportados de avião para o Recife (PE) nesta segunda-feira (30), onde deverão prestar depoimento.

"A operação da Polícia Federal tem todo o nosso apoio", disse o diretor de Unidades de Proteção Integral do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Júlio Gonchorosky. O Instituto é responsável pela administração do Parque Nacional Marinho e da APA de Fernando de Noronha. As duas unidades abrangem todo o arquipélago.

As prisões foram efetuadas em obras que já haviam sido embargadas anteriormente. As casas vinham sendo erguidas em áreas de praia, tanto dentro do parque como no interior da APA. Em uma delas, seria instalado um bar. "No ano passado, a nossa fiscalização embargou essas construções e aplicou autos de infração aos responsáveis. Mesmo assim, eles retomaram as obras", afirmou o diretor.

Construções irregulares são muito freqüentes na ilha. O combate a esse tipo de crime ambiental é uma das principais preocupações do ICMBio. Esse trabalho ganhou um reforço de peso este ano com a inauguração de um posto da Polícia Federal no arquipélago.

Recentemente, foram vistoriadas 20 obras. Dessas, doze estavam ilegais e foram embargadas. Os responsáveis foram autuados e receberam pesadas multas. Mas há ainda cem outras denúncias de construções em áreas de preservação. Todas serão vistoriadas pela fiscalização. "Esse é um trabalho incessante. Não podemos relaxar sob pena de comprometer o ecossistema da ilha, que é extremamente sensível", disse Gonchorosky.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.