VOLTAR

PF pede mais prisoes

CB, Brasil, p.13
08 de jun de 2005

PF pede mais prisões
Da Redação
A Polícia Federal pediu ontem a prisão de mais 13 madeireiros e despachantes de Rondônia ligados ao esquema de exploração ilegal de madeira em Mato Grosso. A informação foi dada pelo delegado da PF, Tardelli Boaventura, responsável pela investigação. Com isso, subiu para 137 o número de mandados de prisão expedidos pela Justiça por conta da Operação Curupira. Segundo Boaventura, 105 desses mandados já foram cumpridos. Outras 32 pessoas ainda estão sendo procuradas. As prisões temporárias feitas nos últimos seis dias foram prorrogadas por mais cinco dias pela Justiça.
A operação iniciada na semana passada é resultado de 20 meses de investigação. A quadrilha composta por madeireiros, despachantes e funcionários do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) do Mato Grosso atuava há 14 anos. Apenas nos últimos dois anos, teria sido responsável pela extração ilegal de quase 2 milhões de metros cúbicos de madeira, o equivalente a 76 mil caminhões carregados do produto.
Para extrair a madeira, os funcionários concediam Autorizações para Transporte de Produtos Florestais (ATPFs) de forma irregular. O documento, fabricado pela Casa da Moeda e controlado pelo Ibama, serve para acompanhar o transporte e a origem da madeira. Outra prática do grupo era a criação fictícia de madeireiras e empresas de reflorestamento para justificar a quantidade de madeira explorada, as chamadas empresas fantasmas”. Em todo o estado, foram identificadas 431 empresas fantasmas, que existiam apenas no papel.
Ontem, o Ibama montou operação especial no Trevo do Lagarto, em Várzea Grande (MT), por onde é escoada toda a madeira explorada na Amazônia com destino ao Sul e Sudeste do país. Cerca de 30 fiscais do Ibama, em ação conjunta com a Polícia Rodoviária Federal, participaram da operação de fiscalização.

CB, 08/06/2005, p. 13

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.