VOLTAR

PF diz que quadrilha envolve 600 madeireiras

OESP, Nacional, p.A14
04 de jun de 2005

PF diz que quadrilha envolve 600 madeireiras
Recuperação da área de floresta devastada por quadrilha custará R$ 108 milhões
Nelson Francisco
Pelo menos 600 madeireiras estão envolvidas com a maior quadrilha do País em crimes ambientais, segundo a Polícia Federal. Desde anteontem, 95 pessoas acusadas de integrar o grupo foram presas e estão sendo levadas para Cuiabá (MT). A Operação Curupira começou a ser montada há nove meses. Anteontem foram detidos o gerente-executivo do Ibama em Cuiabá, Hugo José Werle, o diretor de Florestas do órgão, Antonio Carlos Hummel, e o secretário especial de Meio Ambiente de Mato Grosso, Moacir Pires. A operação ocorre em 16 municípios de Mato Grosso, Distrito Federal e mais 5 Estados - Rondônia, Amazonas, Pará, Paraná e Santa Catarina. A ação faz parte de uma ofensiva do governo e do Ministério Público Federal (MPF) contra o desmatamento na Amazônia.
Os bens de todos os envolvidos - funcionários públicos, madeireiros e despachantes - estão indisponíveis por determinação do juiz da 1.ª Vara Federal de Cuiabá, Julier Sebastião da Silva. A madeira retirada da Amazônia rendeu à quadrilha R$ 890 milhões. O grupo tinha um esquema de venda e falsificação de Autorizações para Transporte de Produtos Florestais (ATPFs), documento do Ibama que comprovam a origem legal da madeira, ou seja, se ela vem de um desmate autorizado.
O procurador da República em Mato Grosso, Mário Lúcio de Avelar, disse que há indícios de fraudes na Fundação Estadual do Meio Ambiente (Fema). "Nós temos dois depoimentos que apontam o comércio de licenças ambientais no órgão." O procurador também afirmou que os principais beneficiados pelo esquema de corrupção estão há décadas devastando o meio ambiente em proveito próprio. "O Ibama é apenas uma peça de uma organização criminosa comandada por pessoas que estão aí há 20 anos."
Só para recuperar a área devastada, o MPF, Polícia Federal e Ibama calculam que serão necessários R$ 108 milhões. A quadrilha teria desmatado 43 mil hectares - o equivalente a 52 mil campos de futebol - na Amazônia para retirar, ilegalmente, 1,9 milhão de metros cúbicos de madeira, que tinha como destino a Europa.
O presidente do Ibama, Marcus Barros, nomeou duas comissões para investigar as irregularidades no órgão em Mato Grosso. O interventor do Ibama, Elielson Ayres de Souza, disse que as comissões vão verificar a conduta de cada servidor. "As comissões são disciplinares e têm caráter sigiloso", frisou o interventor. Elielson disse também que há outras fraudes detectadas. "Estamos reunindo documentação para remeter ao Ministério Público, Polícia Federal e posteriormente para o Poder Judiciário."
Os envolvidos estão sendo indiciados por corrupção ativa e passiva, inserção de dados falsos em sistema de informações, prevaricação (quando funcionário público deixa de cumprir sua obrigação), falsidade ideológica e autorização indevida de desmate, entre outras acusações.
Fema e Ibama suspenderam por 30 dias as licenças ambientais. Projetos de manejo foram cancelados até que seja concluída uma auditoria nos dois órgãos.
OESP, 04/06/2005, p. A14

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.