VOLTAR

A 'palavra' que significa a afirmação da vida contra o Capital: o VIII Encontro Continental de Teologia Índia, na Guatemala

Cimi- http://www.cimi.org.br
Autor: Renato Santana
29 de set de 2016

Aos Guarani, 'palavra' tem um significado plural; voz, linguagem, alma, nome, vida, cura, poesia, canto, nome, origem, projeto. Paulo Suess, assessor teológico do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), explica e interpreta que 'palavra' é a afirmação da vida. Na Guatemala, ou para os indígenas Panajachel, desde o dia 25 até amanhã, dia 30, ocorre o VII Encontro Continental de Teologia Índia sob o tema: "A palavra de Deus na palavra dos Povos Indígenas".

O encontro é organizado pela Articulação Ecumênica LatinoAmericana da Pastoral Indígena (Aelapi) e pelo Conselho LatinoAmericano de Igrejas (Clai) e reúne cerca de 200 lideranças indígenas e agentes pastorais das mais diversas igrejas e denominações religiosas. Do Brasil, além de missionários e assessores do Cimi, indígenas dos povos Pataxó Hã-Hã-Hãe (BA), Xavante (MT) e Puruborá (RO) participam da reunião.

"Tivemos o dia de "ouvir" o clamor dessa humanidade crucificada que "vem da grande aflição" (Apc 7,14). Como articular o "princípio da realidade" com o "princípio da esperança"? Parece que princípios não funcionam nessa sociedade sem princípios. Discernimos também a voz de Nãnderu na voz dos povos indígenas", afirma Suess. Para o teólogo e escritor, "esta é uma parte significativa da humanidade crucificada. Sua vida é a glória do nosso Deus!".

Para a Teologia Índia, porém, o aspecto cosmológico das crenças e religiões em comunhão - a 'palavra' quando espraiada em significados - se traduz na luta pela vida dos povos. O encontro, portanto, discute os projetos de vida dos povos originários da Abya Yala frente aos novos desafios do continente LatinoAmericano - em choque entre projetos desenvolvimentistas à esquerda e o entreguismo neoliberal assediando o Continente aos interesses do Capital e Mercado estrangeiros.

"Esta reunião ocorre em um momento em que de fato é inegável que o contexto econômico, social e político imposto pela globalização do mercado neoliberal afeta negativamente a vida de nossos povos ao ponto de pôr em risco a sobrevivência e reprodução da cultura e fé deles", defende em nota o Conselho LatinoAmericano de Igrejas. Para a entidade latina, existem duas opções: ou nós salvamos e cuidamos da natureza, ou morreremos todos.

Todavia, isso se trata de um projeto revolucionário e de transformação. Conforme os organizadores do VIII Encontro de Teologia Índia, é preciso aprender com os povos indígenas e ouvir a 'palavra'; cuidar da Casa Comum e o Bem Viver com a Mãe Terra. E isso envolve a demarcação de terras indígenas, reforma agrária, equidade social, socialização dos meios de produção e utilização equilibrada e não consumista dos recursos naturais, entre outros.

Para o pastor Miguel Salanic, coordenador da Pastoral Indígena do CLAI e membro da equipe organizadora do VIII Encontro, o objetivo da reunião é ainda "compartilhar a força e o poder da Palavra de Deus na Palavra dos Povos para a análise global da Aurora da Vida, e assim desfrutar e fortalecer nossas esperanças de resistência e luta. Em outras palavras, procuramos mostrar na luta milenar de povos indígenas e povos da Bíblia a palavra e a esperança ativa".

http://www.cimi.org.br/site/pt-br/?system=news&conteudo_id=8945&action=…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.