VOLTAR

PAI DO GOVERNADOR INTIMIDA ÍNDIOS COM FISCAIS DA SEDAM

Rondoniagora-Porto Velho-RO
12 de mar de 2003

Além das três usinas, duas construídas e uma em fase final de conclusão, o Grupo Cassol tem projetos para mais cinco Pequenas Centrais Hidrelétricas. Apenas uma, segundo membros do MPA seria no Rio Figueira, as outras no Rio Branco, que ficaria, então, com cinco hidrelétricas ao longo do leito.
Mas os problemas são ainda mais graves. No Diário Oficial do mês de fevereiro, as PCHs Rio Branco e Ângelo Cassol pleiteiam renovação de licença e um outro documento pedindo autorização de funcionamento. Um dos fiscais da Secretaria de Desenvolvimento Ambiental (SEDAM), conhecido por Francisco, segundo informam os índios e agricultores, esteve no local da degradação ambiental. Não para relatar o assunto, mas para intimidar os habitantes do lugar. Ele foi acompanhado do ex-deputado e pai do governador Ivo Cassol, Reditário Cassol, que, apesar da baixa instrução, foi nomeado como assessor especial da Secretaria de Estado da Educação (SEDUC) com salário de R$ 5.000,00. Segundo Ademar Dias Guimarães, Reditário ameaçou os índios e os produtores rurais, tentando comprar os lotes "a preço de banana" dizendo que a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) iria tomar as terras. Muitos caíram no conto, mas a maioria preferiu ficar e aguardar providências do Poder Judiciário.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.