VOLTAR

O capital acordou para a Amazônia

O Globo - https://oglobo.globo.com/opiniao
Autor: AZEVEDO, Tasso
29 de jul de 2020

O capital acordou para a Amazônia
A luz amarela ficou vermelha quando os investidores afirmaram que se afastariam

Tasso Azevedo

O descontrole e o descaso do governo federal com o desmatamento e a Amazônia resultaram num efeito inesperado no setor privado. Pressionados pela rápida deterioração da imagem do Brasil no cenário internacional, que tem se refletido em desconfiança em relação aos produtos e serviços brasileiros, empresas de diversos setores têm se mobilizado para colocar em prática uma agenda proativa para a região.
Em 2019, o setor privado ainda aguardava uma reação do poder público que pudesse recolocar o Brasil no rumo do controle do desmatamento, mas os meses foram passando, e a luz amarela acendeu no início de 2020 em Davos, onde o Brasil passou um vexame, sem ter o que apresentar quando todas as atenções estavam voltadas para a agenda da sustentabilidade no Fórum Econômico Mundial.
Já são 14 meses seguidos em que o desmatamento sobe sem trégua quando comparado com o mesmo período do ano anterior. Mesmo com a passagem do bastão da coordenação do combate ao desmatamento para o vice-presidente Mourão no Conselho da Amazônia, não há sinais de retração. Por outro lado, a Covid-19 avança sobre os povos indígenas de forma particularmente cruel, pois está associada às invasões do garimpo e à extração ilegal de madeira em seus territórios, e a inação do governo é amplificada pelos vetos do presidente a medidas importantes de proteção dessas populações vulneráveis que haviam sido aprovadas pelo Congresso.
A luz amarela ficou vermelha quando os investidores começaram a externar de forma inequívoca que se afastarão do Brasil e das empresas que possam ter risco de se contaminar com desmatamento ou impactar as populações indígenas. Empresas no sul do Brasil, a 3 mil quilômetros de distância, agora têm que responder como garantem não estar vinculadas com a derrubada da floresta e o fogo na Amazônia.
Primeiro vieram os CEOs de dezenas de empresas, várias líderes nos seus setores, cobrando ação do governo no combate ao desmatamento ilegal e se comprometendo com apoio a caminhos sustentáveis para a Amazônia. Depois, os três maiores bancos privados do país se unem de forma inédita para promover cadeias produtivas sustentáveis e investimentos em infraestrutura básica para o desenvolvimento social e ambiental, ao mesmo tempo que cobram combate intransigente ao desmatamento na região. Gigantes do agronegócio, como a Marfrig, se comprometem a eliminar o desmatamento de toda a sua cadeia de suprimentos (direta e indireta) e planejam rastreabilidade completa da produção.
O que antes era um movimento isolado e pioneiro de empresas com longa trajetória na causa da sustentabilidade, como a Natura, agora se converte em um movimento mais amplo e abrange. Torcemos para seja o início de uma nova era que perdure e persevere nas próximas décadas.

Tasso Azevedo é engenheiro florestal

https://oglobo.globo.com/opiniao/o-capital-acordou-para-amazonia-245554…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.