VOLTAR

MPF pede que parte da Ilha do Bananal seja interditada após indígenas que vivem isolados serem avistados

G1 - https://g1.globo.com
22 de out de 2019

Pedido foi feito à Fundação Nacional do Índio. Antropóloga ouvida pelo MPF diz acreditar que os indígenas sejam do povo Avá-Canoeiro.

Uma área no interior da Ilha do Bananal pode ser interditada após um brigadistas avistar indígenas vivendo isolados na região. O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF) em recomendação emitida para a Fundação Nacional do Índio (Funai) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

A Funai informou que tem conhecimento da informação, mas disse que a área já é demarcada e de uso exclusivo dos indígenas. Veja a nota completa abaixo.

O G1 também pediu posicionamento da ICMBio e aguarda resposta.

A Ilha do Bananal é considerada a maior ilha fluvial do mundo, com cerca de 20 mil quilômetros quadrados de área protegida. Os indígenas foram avistados no dia 9 de outubro por um brigadista do PrevFogo que atuava na região para conter um grande incêndio florestal.

Conforme o MPF, uma equipe estava se deslocando em um helicóptero para procurar focos de incêndio na ilha quando avistaram oito indígenas de uma etnia não identificada, sendo seis adultos e duas crianças.

O homem que avistou as pessoas, na região conhecida como Mata do Mamão, cresceu em meio a indígenas da Ilha do Bananal e é falante da língua Iny, falada pelo povo Karajá e Javaé.

Ele declarou aos responsáveis pelo combate às chamas que as pessoas avistadas são completamente diferentes dos povos Javaé e dos Karajá. De acordo com uma antropóloga ouvida pelo MPF, os indígenas avistados provavelmente são do povo Avá-Canoeiro, também conhecido como "Cara Preta".

A recomendação do MPF pede que sejam tomadas providências para proteção e isolamento dessa população, adotando-se medidas para evitar a entrada de pessoas estranhas ao local.

O povo Avá-Canoeiro tem poucos membros registrados pela Funai. Alguns grupos ainda vivem isolados na região do Parque do Araguaia e têm sido avistados nos últimos anos. Em 2018, uma decisão da Justiça Federal determinou a demarcação da terra onde vive o grupo com 28 membros.

O outro lado

A Funai informou que a técnica da Fundação já atua na qualificação dos relatos de presença de indígenas isolados na região. "Trata-se de terra indígena já demarcada Inãwé Bohona, ocupada por indígenas Javaé e Karajá, que tem sobreposição com o Parque do Araguaia. Há, também, nas proximidades, a Terra Indígena Parque do Araguaia, ocupada por indígenas Tapirapé e Awá Canoeiro".

Sobre o processo de interdição, a Funai explicou que isso acontece quando o local não passou pelo processo de estudo e demarcação. "Como se trata de área já demarcada, ela é de uso exclusivo dos indígenas, com os quais nossa equipe já dialoga sobre os cuidados em relação a possível presença de indígenas isolados e cuja área demarcada já é de responsabilidade das autoridades competentes proteger para que não seja invadida por não indígenas", informou.

https://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/2019/10/22/mpf-pede-que-parte…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.