VOLTAR

MPF investiga desmatamento em mais de 2,8 mil hectares de áreas na Amazônia

Só Notícias - http://www.sonoticias.com.br/
Autor: Herbert de Souza
23 de jan de 2019

Nortão: MPF investiga desmatamento em mais de 2,8 mil hectares de áreas na Amazônia
23/01/2019 21:04

O Ministério Público Federal instaurou 12 inquéritos para apurar suposto desmatamento de áreas na Amazônia, em municípios do Nortão. A derrubada ilegal foi identificada por imagens de satélite feitas pelo Centro Nacional de Monitoramento e Informações Ambientais (Cenima) vinculado ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama). Somados, os desmatamentos passam de 2,8 mil hectares.

A investigação foi determinada pelo procurador Raul Batista Leite e irá abranger três municípios. Em União do Sul (173 quilômetros de Sinop), é investigado o desmatamento de quatro áreas, que variam de 83 a 960 hectares, e totalizam 1,5 mil hectares. Em Cláudia (90 quilômetros de Sinop), são mais quatro áreas, com tamanhos entre 72 e 427 hectares, e 761 hectares, no total. As outras quatro áreas ficam em Nova Monte Verde (468 quilômetros de Sinop) e variam de 71 a 162 hectares. Somadas, têm 551 hectares.

O objetivo dos inquéritos é apurar a responsabilidade civil pelos desmatamentos. Ao final da apuração, caso confirmados os crimes ambientais, o MPF poderá propor ações civis públicas contra os responsáveis. São investigadas pessoas físicas e jurídicas.

Os inquéritos foram abertos no âmbito do projeto institucional do MPF denominado "Amazônia Protege", que conta também com a parceria do Ibama, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Só Notícias/Herbert de Souza

https://www.sonoticias.com.br/geral/nortao-mpf-investiga-desmatamento-e…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.