VOLTAR

MP montou mapa da grilagem na regiao

OESP, Nacional, p.A4
25 de fev de 2005

MP montou mapa da grilagem na região
Documento, de 2003, mostra como agem quadrilhas ligadas a terras e ao narcotráfico
Em julho de 2003, o Ministério Público Federal produziu um mapa detalhado das atividades de grilagem que se desenvolviam a pleno vapor na Terra do Meio, no Pará, onde foi assassinada a freira Dorothy Stang. O documento, entregue às autoridades federais e estaduais, relacionava os nomes dos cabeças da organização criminosa, descrevia geograficamente o ambiente em que atuavam e o esquema operacional das quadrilhas.
Conforme o documento, precursor do relatório produzido em setembro e também entregue ao governo, nesta grande área paraense, equivalente ao Estado de Santa Catarina, onde outrora existia uma grande floresta, restam esparsas porções da vegetação primitiva e alargam-se campos e morros cobertos de capim para gado. A grilagem sistemática e intensiva revela-se como etapa imediatamente seguinte ao esgotamento da extração de madeiras nobres nessa região, notadamente o mogno, enfatiza o documento.
Descreve ainda que a indústria da grilagem desenvolveu-se a partir da cidade de São Félix do Xingu, foco supridor de pistoleiros contratados pelas quadrilhas de grileiros. Lá, foi montada também uma espécie de central de venda e legalização de terras griladas mediante documentação falsificada, com a conivência de órgãos públicos como o Incra e o Instituto de Terras do Pará (Iterpa). Segundo o documento, a grilagem de terras se expande a partir do esgotamento dos recursos madeireiros.
O armamento usado nas ações de grilagem, conforme o documento, é composto de escopetas, pistolas e metralhadoras. Os agenciadores e municiadores de pistoleiros estariam subordinados ao traficante Leonardo Mendonça. Mesmo preso desde o ano passado, ele continuaria comandando uma quadrilha especializada na aquisição, reposição de armas e munição. Leonardo seria a conexão entre a grilagem de terras e o narcotráfico.

OESP, 25/02/2005, Nacional, p.A4

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.