VOLTAR

Moradores da Billings protestam contra o trecho sul

OESP, Metropole, p.C6
28 de mar de 2005

Moradores da Billings protestam contra o trecho sul
Cerca de cem pessoas de Botujuru, em São Bernardo, propõem novo traçado que aproveita a interligação Anchieta-Imigrantes
Marici Capitelli
O plantio de 30 árvores na margens da Represa Billings e um Parabéns a Você pelos 80 anos, comemorados ontem. Assim, cerca de cem moradores das áreas de mananciais de São Bernardo do Campo fizeram ontem um protesto no Bairro Botujuru. Eles aproveitaram o aniversário da represa para criticar o traçado sul do Rodoanel Mário Covas que vai passar pela região.
Serão 54 quilômetros da Rodovia Régis Bittencourt, no Embu, até a Avenida Papa João XXIII em Mauá, no ABC, e à Jacu-Pêssego. As obras começam em outubro, segundo a Dersa.
"Não somos contra o Rodoanel. Queremos é a alteração do traçado para reduzir os danos ambientais", disse o morador Luiz de Deus, de 47 anos, que representa a população no Comitê de Bacias Hidrográficas do Alto Tietê.
De acordo com os moradores, o Rodoanel vai cortar três vezes a Avenida Ribeirão do Soldado, que tem 4 quilômetros, e mais 800 metros da Avenida Basílio da Gama. Essas vias ficam cercadas por mata atlântica. O trecho também fica a poucos metros de braços de reservatório da Billings. Em um dos pontos, onde deverá passar um túnel, a população plantou ipês, ingás e patas-de-vaca.
Os moradores estimam que no trecho sul serão prejudicadas 123 nascentes de água. "Além disso, com a destruição da mata se criará uma ilha de calor em São Bernardo", disse Luiz de Deus. Eles não sabem quantas pessoas serão desapropriadas. "Somos tratados pelo poder público como invasores. Mas estamos aqui muito antes da lei de proteção aos mananciais e lutando pela preservação", disse Oswaldo Negreiro, de 66 anos, que vive no bairro há 47.
Na quinta-feira, os moradores entregaram proposta de novo traçado ao Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental (Daia). Sugerem aproveita a interligação Anchieta-Imigrantes. Em um desses pontos, sairia uma ponte sobre a Billings interligando a Rodovia Indio Tibiriçá.
O secretário estadual de Transportes e presidente da Dersa, Dario Lopes, disse que o protesto foi fora de tempo. "No ano passado, discutimos exaustivamente essas questões com as comunidades." Amanhã, Dersa, Secretaria do Meio Ambiente e Ibama estarão reunidos para discutir a obra, orçada em R$ 2,2 bilhões.

OESP, 28/03/2005, p. C6

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.