VOLTAR

MEC apóia curso de formação indígena para o magistério

Midianews-Cuiabá-MT
21 de fev de 2002

Com recursos do Ministério da Educação, 181 professores indígenas de Mato Grosso, Bahia e Acre participam em março e abril de cursos de formação para o magistério nas aldeias de Coroa Vermelha, em Santa Cruz de Cabrália (BA) e de Bubyres, em Rondolândia (MT); e também em Rio Branco (AC). Os recursos do MEC custeiam a alimentação, a hospedagem, as passagens e o transporte dos professores indígenas e dos professores que dão a formação.

Mato Grosso - De 5 a 9 de março, na Aldeia Bubyres em Rondolândia, 18 professores indígenas Zoró, dois técnicos da Fundação Nacional do Índio (Funai), um da secretaria estadual de Educação de Rondônia e um da secretaria municipal de Rondolândia participam de curso de formação.

Bahia - De 4 a 10 de março acontece na Aldeia de Coroa Vermelha, em Santa Cruz de Cabrália, a segunda etapa do curso de capacitação de 30 professores Pataxó. Eles trabalham em 15 escolas indígenas nos municípios de Porto Seguro, Santa Cruz de Cabrália, Prado e Itamaraju. De 11 de março a 11 de abril, na mesma aldeia, outros 90 professores indígenas Tuxá, Pankararé, Kantaruré, Kiriri, Kaimbé, Pataxó, Pankararu e Xukuru participam de uma etapa intensiva de formação em magistério. Esses professores lecionam em 35 escolas, atendendo cerca de três mil alunos.

Acre - Em Rio Branco, 43 professores das etnias Kaxinawá, Katukina, Yawanawá, Apurinã, Manchineri, Shawãdawa e Ashanika concluem em 1o de março o curso de capacitação iniciado em 16 de janeiro. Deste grupo de professores, 15 finalizam as primeiras etapas da formação inicial do magistério indígena, 13 estão cursando as últimas etapas da formação inicial e 15 estão cursando a formação continuada. Esses professores lecionam em 40 escolas de oito municípios do Acre e um do Amazonas, onde estudam 1.517 alunos do ensino fundamental.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.