VOLTAR

kaiapó ganha terra e garimpo vai reabrir

Correio Brasiliense (Brasília - DF)
04 de mai de 1985

O grupo de trabalho interministerial, criado pelo decreto 88.118/83, responsável pela definição das áreas indígenas no país, aprovou ontem o limite de 3,3 milhões de hectares da reserva indígena dos Gorotire, subgrupo kayapó do sul do Pará. Após assinatura do decreto demarcatório pelo presidente José Sarney, o serviço geográfico do Exército irá tomar as providências para a demarcação e, conforme acordo com os kayapó, os trabalhos no garimpo Maria Bonita serão retomados até que a demarcação seja totalmente concluída. No Pará, os índios aguardam as respostas aos acordos armados e pintados para guerra.
A notícia menciona ainda o chefe do posto indígena Gorotire, José Maria Nascimeto, que participava da reunião sobre a demarcação, e que é acusado pelo deputado Sebastião de Moura Curió (PFL/PA) de manipular os índios contra os garimpeiros e de ter participado da invasão do garimpo Maria Bonita pintado de índio.
Na mesma reunião, o grupo interministerial aprovou a delimitação de 868.289 hectares para outras seis nações e a homologação de mais de 824.169 hectares de áreas já demarcadas.
O acordo firmado sobre o território kayapó foi condenado por indigenistas e sertanistas da Funai, que afirmam que ele não tem valor legal e que fere a legislação vigente em favor dos grupos indígenas. Os sertanistas ingressarão na Justiça com uma ação popular contra o Ministério do Interior e a Funai, com o objetivo de sustar o ingresso de garimpeiros no território kayapó e evitar que tal acordo abra precedentes para novos acordos em outras terras indígenas.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.