VOLTAR

Justiça dá liberdade para assassino de pataxó

Ministério Público Federal-Brasília-DF
14 de dez de 2004

Eron Oliveira, um dos condenados pela morte do índio pataxó Galdino Jesus dos Santos deve deixar ainda hoje a penitenciária da Papuda, em Brasília. Ele ganhou o direito de liberdade condicional depois de cumprir dois terços da pena de 14 anos em regime fechado.

O primeiro a ser beneficiado com a condicional foi Tomás de Almeida, que está em liberdade há três semanas. Os outros dois condenados pelo crime, Antônio Vilanova e Max Alves, também entraram com pedido de liberdade e aguardam um parecer do conselho penitenciário e do Ministério Público.

O pataxó Galdino Jesus foi assassinado em Brasília no dia 20 de abril de 1997, no Dia Nacional do Índio. Todos os rapazes envolvidos no crime são de classe média. Eles jogaram gasolina no índio, que dormia num ponto de ônibus. O pataxó teve mais de 90% do corpo queimado.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.