VOLTAR

Justica condena Cataguazes

JB, Cidade, p.A14
31 de mai de 2005

Justiça condena Cataguazes
Pescadores serão indenizados pela contaminação de rio
O juiz Rodrigo José Meano Brito, do Juizado Especial Cível de São Francisco do Itabapoana, condenou ontem a Indústria de Papéis Cataguazes a pagar R$6 mil para cada um dos 50 pescadores ouvidos na audiência do último dia 23, que tiveram prejuízos em decorrência do acidente ecológico que aconteceu em março de 2001. A sentença é cabível de recursos.
São Francisco do Itabapoana é banhada pelo Oceano Atlântico e pelo delta do Rio Paraíba do Sul e contém grande área de manguezais. A pesca é uma das principais atividades econômicas. Quando a barragem da empresa, contendo substância tóxica resultante da produção de papel, alcançou o Rio Pomba e chegou ao Rio Paraíba do Sul, foram grandes os prejuízos.
De acordo com a advogada Priscila Batista, ao todo 800 pescadores moveram processos contra a empresa no local, que ainda terão suas ações julgadas. O pescador Jorge Luiz Silva, de São Francisco, ficou satisfeito com a vitória, apesar de não ser completamente ressarcido de seus prejuízos:
- A quantia foi razoável. Fiquei um bom tempo sem trabalhar. Quando a Marinha nos liberou, os consumidores estavam amedrontados. Passava a mercadoria para um intermediário, que me pagava muito menos que do costume.
Priscila também defende a causa de 700 pescadores em São João da Barra além de pescadores e consumidores em Campos. Ela conta que lá, a juíza Maria Thereza Gusmão condenou a empresa a indenizar por danos morais R$1.300 a consumidores de água, que tiveram problemas para cozinhar e tomar banho por mais de uma semana. Lá, outros consumidores e ainda, pescadores, serão julgados em breve.
Em São João da Barra o juiz Ralph Manhães condenou a indústria a pagar R$1.200 a cada vítima. Com reajuste, a quantia chegará a R$1.448.

JB, 31/05/2005, p. A14

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.