VOLTAR

Jorge quer 'renaturalizar' rios

OESP, Metrópole, p. C3
05 de Nov de 2005

Jorge quer 'renaturalizar' rios
Secretário do Verde propõe reabrir córregos canalizados

Com o objetivo de evitar a construção de novos piscinões em São Paulo, o secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge, quer trazer à tona rios e córregos soterrados por avenidas. A medida, segundo ele, criaria áreas de absorção de água da chuva, o que ajudaria a evitar enchentes.
Na tarde de ontem, o secretário colocou um painel na saída da Bienal de Arquitetura, no Parque do Ibirapuera, com o projeto do engenheiro Sadalla Domingos para duas regiões: a Avenida 23 de Maio e o Córrego Ipiranga.
"Queremos modificar a cultura da população e de engenheiros. As obras para renaturalizar os rios são mais baratas que as canalizações", disse o secretário.
As duas propostas de Domingos prevêem a formação de pequenos lagos ao longo do curso do rio e cascatas para retardar o escoamento das águas. Na Avenida 23 de Maio, onde fluía o Córrego Itororó, a intenção é refazer o leito no canteiro central, que seria rodeado por uma área verde.
"Se implantado o projeto, as áreas poderiam ser mantidas pela iniciativa privada. Porque é mais fácil encontrar alguém que queira associar o nome a revitalização que a um piscinão", argumentou Domingos.
Para a região do Córrego Ipiranga, a proposta é mais ousada. O engenheiro prevê a construção de um parque linear, que começaria na área do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga e iria até o Museu Paulista (do Ipiranga). O nome do projeto faz referência ao Hino Nacional: Margens Plácidas. Para isso, seria necessária intervenção no sistema viário.
Neste momento, a principal preocupação do secretário e do engenheiro Domingos é mostrar para a população como a idéia pode ser mais agradável que encher a cidade de piscinões.
"Queremos recuperar cada área permeável dos leitos que foi coberta pelo concreto", disse a diretora do Meio Ambiente e Paisagem Urbana da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb), Regina Monteiro. Em toda a cidade, existem 3.300 quilômetros de cursos de água.

OESP, 05/11/2005, Metrópole, p. C3

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.