VOLTAR

Itapetininga sedia o 25 espaço do Criança Ecológica

SMA/SP - www.ambiente.sp.gov.br
Autor: Valéria Duarte
28 de mai de 2010

A Estação Experimental de Itapetininga, administrada pelo Instituto Florestal - IF, recebeu, em 28.05, o mais novo espaço do Floresta Legal, que integra a agenda verde da fauna e da flora do Programa Criança Ecológica da Secretaria Estadual do Meio Ambiente - SMA. A unidade de conservação une a produção de resina a partir do pinus com a área de mata nativa preservada.
A inauguração do espaço foi marcada pela homenagem à pesquisadora científica do IF, Regina Freire, que sempre trabalhou a educação ambiental na unidade e foi uma das grandes motivadoras para que a Estação Experimental recebesse o Programa Criança Ecológica. A sala onde as crianças farão algumas atividades recebeu o nome de Regina, que faleceu no final de 2009.

"É muito bom ver um sonho realizado, que é fruto do trabalho de muita gente", afirmou Antônio Orlando Freire Neto, chefe de seção da Estação Experimental de Itapetininga. "É como uma floresta que a gente planta, cuida e colhe. Esse é o momento de colher os frutos", enfatizou. Orlando recebeu uma homenagem da prefeitura, que batizou a Lagoa da Estância da Conceição com o nome da pesquisadora Regina Freire.

O gerente do projeto Município Verde Azul, Ubirajara Guimarães, elogiou o avanço na gestão ambiental municipal. "A nota de Itapetininga no Índice de Qualidade de Resíduos - IQR em 2007 era 0,5. Hoje é 8,1. No Município Verde Azul, a nota de Itapetininga passou de 55 para 73,6. E nós ajudamos o município nesse ganho repassando recursos para equipamentos", declarou.

No entanto, Ubirajara ressaltou que também é preciso investir em educação ambiental. "A partir do momento que abrimos nossas unidades para as crianças conhecerem, todos passam a preservar. Precisamos construir ecocidadãos", ressaltou.

A coordenadora de educação ambiental da SMA, Malu Freire, destacou os resultados do programa. "O Criança Ecológica foi lançado em março de 2009. Em um ano é difícil um projeto alcançar os resultados que o Criança Ecológica conseguiu alcançar. São 25 espaços funcionando em todo o Estado", lembrou.

Para o diretor do IF, Rodrigo Victor, ter o Criança Ecológica em uma das unidades de conservação do instituto é um orgulho. "Esses espaços têm a ver com história do IF. Com a instituição de uma base florestal produtiva no Estado, a gente conseguiu uma alternativa de substituição a uma matéria-prima de floresta nativa, principalmente para a indústria moveleira", disse.

"Essa trilha tem todos os conceitos básicos da conservação e fica ao lado da floresta plantada de pinus. É a união da preservação ambiental com a produção florestal", contou o gestor da Estação Experimental João Henrique Lara. As crianças da Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria Aparecida Silva Brisolla Francis e do Projeto Mudas da Cidade cantaram animadas o hino da Criança Ecológica.

Programa

O Criança Ecológica trabalha as agendas verde (flora e fauna), azul (água), cinza (poluição) e amarela (aquecimento global e alerta para a vida) em 25 espaços em todo o Estado. Voltado para crianças do Ensino Fundamental I, o programa possui a turma dos heróis e vilões do meio ambiente. Bob Água, Frida Flor, Fred Fauno, Max Limpo e Nika Valente enfrentam Poli Vigarista e Dick Poluição para preservar o planeta.

Nas unidades de conservação o Floresta Legal tem como foco a fauna e a flora; no Parque Villa-Lobos, o Villa Ambiental alerta para os riscos do aquecimento global e orienta como podemos mudar de atitude; no Parque Ecológico do Guarapiranga, o Água Amiga, apresenta às crianças a importância de economizar esse recurso; no Zoológico de São Paulo, o Bicho Legal aborda a agenda dos animais e no Jardim Botânico, o Verde Vivo mostra a diversidade entre as plantas.

O projeto pedagógico do Criança Ecológica visa a aprendizagem lúdica, ou seja, de modo que as crianças possam aprender sobre o meio ambiente brincando.

http://www.ambiente.sp.gov.br/verNoticia.php?id=958

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.