VOLTAR

Índios ocupam sede da Funai

DIÁRIO DO NORDESTE
Autor: Ludmila Wanbergna
18 de mai de 2007

Núcleo da Funai no Ceará perdeu autonomia financeira e passou a ser subordinado à administração da Paraíba

Acampados, por tempo indeterminado, cerca de 400 índios das etnias Tapeba, Pitaguari, Jenipapo-Kanindé, Tremembé, Potiguara, Tabajara, Calabaça, Canindé de Aratuba e Anacé garantem permanecer na sede do
Núcleo de Apoio Local da Fundação Nacional do Índio (Funai) até que suas demandas sejam atendidas. A principal delas é a transformação desse núcleo em uma Administração Executiva Regional (AER).

Um dos motivos da mudança seria, de acordo com o grupo, a possibilidade de uma maior autonomia político-financeira do Ceará. Hoje, conforme explica o ex-coordenador local, Nemézio Moreira de Oliveira Júnior, que pediu afastamento do cargo ontem, a unidade financeira que existia no núcleo foi extinta, deixando-o subordinado à administração de João Pessoa (PB). "Além disso, as decisões políticas importantes precisam sempre ser encaminhadas à capital paraibana".

Segundo o vice-coordenador da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (Apoinme), Dourado Tapeba, as reivindicações dos índios também incluem a ampliação do número de equipamentos, funcionários e viaturas.

Atualmente, o núcleo local funciona com 12 funcionários e o coordenador para atender a demanda de 12 pólos indígenas
distribuídos em 17 municípios do Estado do Ceará, em uma área de 45 mil hectares.

Ainda estão na pauta dos manifestantes: projetos de fomento para a subsistência das etnias, como investimentos na agricultura familiar; fortalecimento da educação indígena; autonomia do Distrito Sanitário Especial Indígena; melhor atendimento médico; e a conclusão dos processos de demarcação das terras indígenas, com a instalação de
novos grupos de trabalho para a realização de estudos de identificação. "Apenas um grupo de Tremembés, localizado em 3.160 hectares entre Acaraú e Itarema, está com a situação de demarcação regularizada", esclarece Dourado. E diz mais: "Enquanto a Funai nacional não nos responder, permaneceremos aqui", promete. Enquanto a situação não se resolve, Nemézio avalia que "não há condições" de dar continuidade às atividades do núcleo local, tendo em vista as muitas dificuldades.

Entre os problemas listados estão o bloqueio dos telefones fixos do local e o número insuficiente de cestas básicas - 1.500 - para uma demanda de 20 mil índios no Ceará. Na opinião do presidente da Associação dos índios Tapeba, Weibe Tapeba, é preciso trocar os funcionários já existentes para "excluir vícios" e realizar, de forma mais efetiva, a assistência social aos índios, com o cadastramento dos povos para terem acesso aos benefícios da Previdência Social.

"Ainda sofremos muito com a discriminação", reclama Weibe. Liderança também, Jorge Tabajara acrescenta às reivindicações a existência de um líder indígena no comando do que deve ser a Administração Executiva Regional. Segundo Dourado, os índios já prepararam e enviaram à administração de João Pessoa um documento listando as
reivindicações que, por sua vez, deve reencaminhá-lo à Funai nacional.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.