VOLTAR

Índios liberam Transamazônica, mas cobram pedágio

Agência Estado
13 de out de 2006

Os mil moradores da terra indígena Tenharim do Marmelo, no quilômetro 145 da BR-230 - a Transamazônica - já desbloquearam a rodovia, mas começaram a cobrar pedágio dos motoristas. "Eles estavam cobrando R$ 60 cada caminhão, R$ 20 cada caminhonete e R$ 10 cada moto", detalhou o comerciante Leonir Galvan, morador de Apuí (AM), município afetado pelo protesto. A informação dada à Radiobrás é do plantonista do Centro de Informações Operacionais (Ciops) da Polícia Rodoviária Federal em Rondônia, Daniel Reis, e confirmada pelo cacique Humberto Terena, da comissão indígena que está em Brasília.

De acordo com Reis, a rodovia foi liberada ontem, após dez dias de bloqueio. "Os seis policiais rodoviários federais que estavam no local garantindo a segurança dos motoristas e manifestantes já voltaram a Porto Velho", contou o inspetor. "Eles não puderam fazer nada contra a cobrança de pedágio, até porque eram seis pessoas para mil manifestantes."

O diretor de Assistência da Fundação Nacional do Índio (Funai), Slowacki Assis, lembrou que não há regulamentação sobre a cobrança de pedágio em terras indígenas. "A rigor, é uma cobrança ilegal. Eu não sabia disso, mas caso se confirme, vamos orientar as lideranças a interromperem essa prática", acrescentou.

Terena afirmou que o cacique Aurélio Tenharim, que também estava em Brasília, viajou, ontem à noite para Porto Velho. Ele deve seguir para o local do conflito com o objetivo de orientar os indígenas a não cobrarem pedágio. "A comissão indígena ficou preocupada quando soube da cobrança. Mas, ao que parece, ela aconteceu porque os manifestantes estavam sem recursos para alimentação."

O protesto na Transamazônica é por mais verbas para as ações da Funai em Rondônia e no sul do Amazonas, onde vivem cerca de nove mil indígenas de 45 povos. Hoje a Funai anunciou que houve acordo para encaminhar ao Ministério da Justiça um pedido de credito extra de R$ 1,7 milhão para as ações do órgão em Rondônia.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.