VOLTAR

Índios do Médio Purus (AM) denunciam ameaça de pescadores e coletadores de castanha

A Crítica (AM) - http://acritica.uol.com.br
07 de dez de 2011

A Federação das Organizações Indígenas do Médio Purus (Focimp) divulgou nesta semana uma carta denunciando invasões de pescadores dentro da Terra Indígena Jarawara Jamamadi Kanamati, que retiram ilegalmente tartarugas, tracajás, entre outras atividades ilícitas.

A Focimp reúne povos de cerca de 40 terras indígenas espalhadas por uma área superior a 4 milhões de hectares nos municípios de Tapauá, Canutama, Lábrea e Pauini.

Eles querem ainda mais celeridade no processo de demarcação da Terra Indígena Pedreira do Amazonas, sobreposta à Reserva Extrativista Rio Ituxi, assim como a demarcação da Terra Indígena Igarapé Grande, que incide sobre a Reserva Extrativista do Médio Purus, ambos territórios pleiteados pelos Apurinã.

Os indígenas exigem o pagamento de indenização aos posseiros que exploram madeira, castanha, caçam e pescam na região do rio Ituxi e impactam a Terra Indígena Paumari, cujos limites também precisam ser revistos a pedido dos indígenas.

Eles acreditam que se os não-índios forem indenizados, deixarão seu território, invadido há mais de uma década por exploradores eventuais.

Segundo os indígenas, no último dia 3 de novembro esses invasores ameaçaram os Paumari diante de funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Lábrea e disseram que este ano nenhum indígena iria coletar castanha em sua própria terra.

O clima de tensão aumentou nas últimas semanas, com ameaças de morte tendo sido feitas nas seguintes terras indígenas: TI Igarapé Grande; TI Canacuri; TI Curriã; TI Boa Esperança; TI Acimã; TI Paumari do Lago Marahã; TI Pedreira do Amazonas.

A seguir, leia trechos do documento:

"As ameaças e pressões sobre o uso da terra vem ocorrendo há onze anos na TI Paumari do Lago Marahã por posseiros que não mais habitam a área, mas somente frequentam temporariamente para explorar os recursos da região, dentro da terra indígena.

Estes afirmaram em tom de ameaça que neste ano de 2011, nenhum paumari vai coletar castanha. O período da coleta está próximo. As ameaças foram feitas inclusive na sede da CR Purus em presença do Coordenador e mais dois funcionários da Funai em Lábrea no dia 03 de novembro deste ano.

Esses posseiros têm retirado madeira dentro da terra há pelo menos onze anos sem qualquer restrição.Lembramos também que já foi feita solicitação de novas placas dos limites da terra em junho de 2011 e nada até agora foi feito. As lideranças propuseram um termo de acordo com os posseiros que estão esperando a indenização, há 11 anos e as tensões só tem aumentado. Nós paumari estamos planejando a coleta da castanha ainda este ano e esperamos não entrar em conflito com os posseiros que nos ameaçaram.

Pedreira do Amazonas: lembramos também que o processo de demarcação da TI Pedreira do Amazonas se arrasta há mais de cinco anos, apresentando problemas de sobre posição de limites com a RESEX do Ituxi no município de Lábrea. As invasões tem sido frequentes.

Chamamos a atenção sobre a lentidão do Estado para resolver nossas questões. As tensões e as ameaças aos povos indígenas tem sido mais frequentes. Reivindicamos urgentemente uma solução para nosso direito à terra. Queremos a DEMARCAÇÃO URGENTE.

Locais onde há relatos de ameaças de morte: TI Igarapé Grande; TI Canacuri; TI Curriã; TI Boa Esperança; TI Acimã; TI Paumari do Lago Marahã; TI Pedreira do Amazonas.

Aguardamos uma solução urgente para as questões acima apresentadas e uma posição da FUNAI para dinamizar os processos de demarcação e intensificar e melhorar as condições de fiscalização de nossas terras, garantindo o usufruto exclusivo e o direito à vida, já que a violência na região tem cada vez mais se tornado frequente.

Esperando assim que nos compreenda e entenda nossa situação, agradecemos a atenção e esperamos uma solução urgente.

Lábrea, 05 de novembro de 2011",

http://acritica.uol.com.br/amazonia/Amazonia-Amazonas-Manaus-Indios-den…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.