VOLTAR

Índios desocupam sede da Funai em Imperatriz

G1 g1.globo.com
13 de jun de 2017

Depois de quase uma semana acampado, índios das etnias Krikati, Guajajara, Gavião, Canela e Gamela desocuparam a sede da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Imperatriz, a 626 km de São Luís. Cerca de 300 índios reivindicavam o direito de participar do processo de escolha do coordenador da regional do órgão.

O novo coordenador ainda não foi escolhido, mas antes dos índios encerrarem o movimento, eles elaboraram um documento do qual indicaram três possíveis nomes ao cargo na Funai.

Segundo Francisco Martins, coordenador substituto, ainda não há previsão de quando a pessoa escolhida deverá ser oficialmente nomeada. "Previsão mesmo não há. Isso é um processo que corre lá em Brasília com o nome das pessoas indicadas, e ele [o nome] vai para a Casa Civil depois para Presidência da República até que haja definição e esse nome seja publicado no diário oficial, oficializando a nomeação do novo coordenador da Funai", explica.

O direito dos povos indígenas participarem da escola de representantes está assegurada por meio da lei 169, da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Enquanto a escola oficial não é feita, a presidência do órgão comunicou que Alberto Sérgio Maia, funcionário que havia sido indicado pela Funai não deve mais concorrer a cadeira. O nome cotado era rejeitado pelas lideranças indígenas que iniciaram o protesto.
O impasse na escolha de um novo coordenador regional acontece desde dezembro de 2016, quando Daniel de Carvalho foi exonerado do cargo. Desde então o cargo já foi ocupado outra vez por uma outra coordenadora que foi exonerada, até quando Francisco Martins, atual coordenador regional, assumiu o cargo.

http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/indios-desocupam-sede-da-funai-…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.