VOLTAR

Índios descobrem 10 quilos de maconha escondidos em reserva

A Folha-Boa Vista-RR
23 de ago de 2001

Dois sacos plásticos contendo cerca de 10 quilos de maconha foram encontrados por índios da comunidade São Marcos. A droga estava escondida num matagal próximo a um igarapé e foi deixada por dois homens em uma moto, que passaram pela reserva durante a noite.
O índio João Pereira da Silva, 51 anos, contou em depoimento à Polícia Federal que os desconhecidos apareceram na maloca no último domingo, dia 12 de agosto, e pediram para pernoitar no local, alegando que o pneu da moto estava furado. "Eles pediram para descansar e, no dia seguinte, foram embora de madrugada, de carona em uma Toyota", afirmou.
Pereira contou que na manhã seguinte, sua esposa, Maria de Lima, foi buscar água no igarapé próximo da aldeia e encontrou escondidos em um matagal dois sacos de lona. "Eu abri e achei que era maconha, mesmo nunca tendo visto, e resolvei esconder os pacotes", contou.
Na mesma manhã, os dois homens retornaram à comunidade e perguntaram pelos pacotes, mas os índios disseram nada saber sobre o assunto. Um servidor da Funai comunicou à Polícia Federal sobre o ocorrido e entregou o material para ser analisado.
O delegado Nelson Pires informou que nesses casos é difícil descobrir quem são os donos da droga, pois os índios não anotaram nem mesmo a placa das motos e demoraram muito para comunicar o fato à Polícia Federal. "Vamos enviar amostras para exames em Brasília e comprovar se realmente o que tem no pacote é maconha. Também vamos investigar o caso mais profundamente e entrar em contato com a Funai para que, nesse caso, a polícia seja avisada imediatamente", afirmou.
O delegado acrescentou ainda que a Polícia Federal suspeita que a droga faça parte do tráfico existente entre Brasil e Guiana, e que o Uiramutã esteja sendo a rota para entrada da droga no país.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.