VOLTAR

Índios brasileiros são aliciados pelas Farc

O Globo (Rio de Janeiro-RJ)
Autor: Jailton de Carvalho
29 de abr de 2003

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, viajou para a região de Tabatinga, município do Amazonas, para inaugurar um posto da Polícia Federal na aldeia Tukano de Melo Franco, situada a 20 quilômetros de um acampamento das Forças Armadas Revoluconárias da Colômbia (Farc) em território colombiano. A instalação da base tem como objetivo inibir a atuação das Farc, que segundo o coordenador da Operação Cobra, delegado Mauro Sopósito, estariam aliciando, e em alguns casos, até sequestrando os índios Tukano e Maku no território brasileiro, para serem usados como soldados na guerrilha. A proposta da Polícia Federal não é um trabalho de convencimento ideológico dos índios para que não sejam cooptados pela guerrilha, mas sim estabelecer bases do estado brasileiro na região de fronteira, e deixar que os índios continuem se movimentando livremente. O delegado ainda informou que não há informações precisas sobre o número de índios que teriam sido levados pela guerrilha, mas que os relatos são frequentes, e que Tukano e Maku estariam sendo atraídos por ofertas de dinheiro ou retirados à força do território brasileiro para, depois de uma longa convivência com os guerrilheiros, abraçarem a causa das Farc.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.