VOLTAR

Índios aprendem a utilizar GPS para montar banco de dados das aldeias

RJTV - Bom Dia rio - rjtv.globo.com
05 de nov de 2008

Índios de Angra dos Reis, no litoral sul do estado, estão aprendendo a usar o GPS, um sistema de localização por satélite. A tecnologia vai ajudar a montar um banco de dados sobre as aldeias da região.

O projeto piloto é desenvolvido nas aldeias Guarani do litoral. Aldo é um dos 18 alunos que estão aprendendo a utilizar o localizador por satélite.

"Eu pensei que era difícil , mas depois que mexi no equipamento parece fácil", fala o índio.

O grupo será responsável por identificar geograficamente cada ponto da aldeia. Em uma delas no Bracuí, vivem 79 famílias. Banheiros públicos e residências são um dos locais que estão sendo marcados.

Agentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), capacitam os indígenas desde o ano passado.

A ação é realizada em parceria com uma universidade do Canadá. Os dados colhidos pelos índios darão origens a mapas e um sistema de informação geográfica monitorado pela própria comunidade indígena. O banco de dados deve estar disponível no primeiro semestre do ano que vem.

"Se eles tiverem vários índios que estão vindo dos mesmos posicionamentos das casas, eles poderão fazer uma investigação e ver se existe alguém doente naquela região que não tenha vindo a um posto", diz Diana Marinho, pesquisadora da Fiocruz.

Quando os agentes forem embora os trabalhos continuam. Cada aldeia ficará com um equipamento de GPS.

"Na aldeia sempre há movimento, outras pessoas mudam de casa então saberemos e poderemos atualizar os mapas da aldeia", revela o índio Leandro Mendes.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.