VOLTAR

Índios acusam militares de tortura no AM

FSP, Brasil, p. A8
27 de nov de 2008

Índios acusam militares de tortura no AM
Procurador investiga se soldados e oficiais do Exército teriam prendido ilegalmente 12 indígenas na fronteira com a Colômbia
Supostas vítimas de tortura relatam que ficaram presas em gaiolas em pelotão do Exército; Força diz que não cometeu "atos delituosos"

Breno Costa

O Ministério Público Federal do Amazonas investiga denúncias de tortura contra índios praticada por militares brasileiros na fronteira com a Colômbia, no município de São Gabriel da Cachoeira (AM), na terra indígena Alto Rio Negro.
O inquérito civil público foi instaurado no último dia 20 de outubro e apura denúncias de que um grupo de sete militares lotados no 3o PEF (Pelotão Especial de Fronteira) torturou 12 jovens indígenas nas dependências do pelotão, em setembro do ano passado.
A acusação é da Foirn (Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro), que representa 23 povos indígenas, e tem como base relatos de índios kuripakos das comunidades São Joaquim e Warirambã, localizadas a 320 km (quatro dias de barco) da área urbana de São Gabriel da Cachoeira.
O Comando Militar da Amazônia, ao qual está subordinado o 3o PEF, negou em nota oficial "atos delituosos" por parte dos militares e afirmou que está preparando resposta aos questionamentos que já foram feitos pelo procurador do Ministério Público Federal.
De acordo com o relato dos índios -no qual se baseou a abertura de investigação pelo procurador Rodrigo da Costa Lines-, por volta das 23h do dia 27 de setembro de 2007, militares fardados, armados com pistolas e fuzis e sem mandados judiciais retiraram à força os índios de suas casas.
Os militares, dizem os índios, procuravam um jovem que teria trazido cocaína da Colômbia para a aldeia. Esse índio foi identificado dez dias depois do incidente, segundo a Foirn, como membro da comunidade Panã-Panã -outra localizada na terra indígena. Ele não estava entre os jovens supostamente levados ao quartel.

Casos
Ainda de acordo com a denúncia, os jovens indígenas, alguns menores de idade, segundo a Foirn, foram levados para o pelotão de fronteira. Lá, relatam, ficaram cerca de duas horas deitados no chão, com armas apontadas para suas cabeças, enquanto eram agredidos fisicamente pelos militares.
Em seguida, foram confinados, nus, todos juntos, dentro de uma gaiola de ferro, própria para prender onças. Ainda de acordo com as denúncias dos índios, os militares, por três vezes, jogaram baldes de água gelada nos jovens, que só foram liberados pela manhã.
A Folha teve acesso a seis cartas manuscritas por indígenas que relatam terem sido alvo da ação de um cabo, dois soldados, três sargentos e um tenente do 3o PEF.
Um dos jovens relata na carta que eles ficaram "presos como animais, presos apertadíssimos", e que os militares não permitiram que eles fossem ao banheiro. Outro diz que foi jogado no chão dentro de casa pelos militares, enquanto a casa era revistada e que foi chamado de "cachorro" e "porco".
Em 17 de março deste ano, a Foirn, ao saber do caso, encaminhou o relato a diversos órgãos do governo federal, além do Estado Maior do Exército e da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público, que decidiu pelo envio do caso à Procuradoria da República no Amazonas.
O inquérito tem prazo de um ano para ser concluído. O procurador Rodrigo Lines está de licença e só volta ao trabalho na semana que vem. Caso surjam provas suficientes, a Procuradoria apresenta denúncia à Justiça Federal, por envolver agressão contra índios.
Por também envolver militares, o juiz, no entanto, pode declinar de sua competência para que o caso seja julgado pela Justiça Militar.

FSP, 27/11/2008, Brasil, p. A8

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.