VOLTAR

Indígenas apreendem ônibus escolar

Folha de Boa Vista-RR
13 de set de 2001

Índios da reserva indígena de São Marcos, ao norte da capital, apreenderam ontem um ônibus escolar que transportava estudantes da zona rural para a escola no município de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela. A ação dos indígenas foi denunciada no final da tarde pelos vereadores de Pacaraima, que comunicaram o fato à Polícia Federal.
O veículo foi retido na maloca Sabiá, a 60 quilômetros da sede daquele município. Os tuxauas ficaram revoltados porque um grupo de seis alunos da aldeia que estudam na cidade durante a manhã não é atendido pelo ônibus.
O transporte só passa lá na parte da tarde para buscar cerca de 75 alunos indígenas, entre crianças e adolescentes. Para buscar o grupo de estudantes da manhã, a Secretaria de Educação do Estado disponibilizou um Jipe antigo, o que não agrada os índios.
O argumento dos indígenas para não aceitar o Jipe é que o veículo é velho, mal conservado e que não é adequado para transporte escolar. Segundo eles, as crianças vão amontoadas no veículo por causa da falta de espaço.
O vereador Raimundo Nonato Leda dos Santos (PSL), que também é diretor da escola-padrão Cícero Vieira Neto, disse que é economicamente inviável deslocar o ônibus para buscar apenas seis alunos na parte da manhã. No total, 950 alunos dependem desse transporte para chegar à escola todos os dias.
"Só de combustível são gastos 2.200 litros durante o mês para buscar os alunos a partir do meio-dia, com retorno às 17horas. Se for atender somente os seis alunos, iríamos gastar mais 900 mil litros todo mês", disse o diretor-vereador.
O veículo foi apreendido no início da tarde, quando o motorista foi pegar os alunos na área indígena. Os tuxauas impediram a saída e o motorista trancou o veículo e foi de carona para Pacaraima, onde comunicou o fato aos vereadores.
O presidente da Câmara, Sabá Bezerra (PDT), disse que os vereadores comunicaram a apreensão do ônibus à Polícia Federal em Pacaraima, que imediatamente entrou em contato com a Funai (Fundação Nacional do Índio) em Boa Vista. "Tomamos todas as providências para que o problema seja resolvido o mais rápido possível para não prejudicar os alunos", disse.
As crianças, cerca de 75, que deveriam retornar para aldeia no próprio ônibus apreendido, tiveram que ir para a BR-174 pedir carona. Até o final da tarde muitos deles ainda estavam na margem da rodovia. Os vereadores não sabiam como acomodar e alimentar as crianças que não conseguiram voltar para casa.
O prefeito Hipérion Oliveira (sem partido) não estava no município ontem à tarde e não foi localizado pela Folha. A informação do presidente da Câmara é que ele teria vindo para Boa Vista tratar do assunto na Secretaria de Educação
FUNAI
Segundo informações da Assessoria de Comunicação da Polícia Federal, a apreensão do veículo foi comunicada à Funai, que já enviou ontem mesmo dois servidores para negociar a liberação do ônibus. Até ontem, por volta das 20 horas, não havia qualquer informação sobre os entendimentos da Fundação com os tuxauas da maloca Sabiá.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.