VOLTAR

Indígenas apreendem caminhões com toras de madeira e armas caseiras nas terras Awa Guajá

G1 - https://g1.globo.com
Autor: Matheus Leitão
02 de out de 2019

Indígenas apreenderam nesta terça-feira (1o) pelo menos três caminhões que retiravam toras de madeira das terras dos Awa Guajá, no Maranhão.

A informação foi transmitida ao blog pelo cacique Antônio Guajajara, líder indígena de uma das etnias da região, e confirmada pela Fundação Nacional do Índio (Funai).

O órgão afirmou que não poderia dar mais detalhes sobre as apreensões. Antônio Guajajara conta que os madeireiros estão "revoltados com os guardiões da floresta".

"Guardiões da floresta" é como são chamados os indíos que fiscalizam a região para prevenir crimes ambientais (leia mais abaixo).

"É muita madeira tirada. A floresta dos Awá Guajá está toda furada de madeireiros, e eles estão revoltados com os guardiões da floresta", diz o líder indígena.

Além da grande quantidade de madeira encontrada, já cortadas em toras aparentemente prontas para a comercialização ilegal, os indígenas também apreenderam armas de fabricação caseira.

Em janeiro deste ano, o blog mostrou uma apreensão similar. Na ocasião, o cacique Guajajara apontava uma "grande destruição" na região. Em vídeo, o indígena mostrava várias toras de madeiras arrancadas da terra indígena Awá Guajá.

Entenda o caso

As terras Caru, Awá Guajá e Alto Turiaçu abrigam os remanescentes da Floresta Amazônica no Maranhão.

Nas terras Caru vivem os povos Guajajara. Na Awá Guajá estão os Awá e, em Alto Turiaçu, estão o Ka'apor.

Os povos das três terras da região decidiram se unir para fazer um trabalho de vigilância e evitar crimes ambientais. Os indígenas fazem esse tipo de vigilância desde 2014.

Os homens que trabalham na vigilância das terras são chamados de "guardiões da floresta" e a organização de mulheres indígenas que cuidam da região é chamada de "guerreiras da floresta".

https://g1.globo.com/politica/blog/matheus-leitao/post/2019/10/02/indig…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.