VOLTAR

ICA propõe estratégias de restauração de áreas degradadas em parque estadual

UFMG - https://ufmg.br/
Autor: Amanda Lelis / Cedecom Montes Claros
26 de ago de 2020

Região no norte de Minas resguarda nascentes e contribui para conservação de espécies da caatinga e do cerrado

A implantação do eucalipto no norte de Minas Gerais nas décadas de 1960 e 1980, realizada sem o manejo correto do solo, trouxe danos ambientais significativos para áreas de caatinga e cerrado. O ressecamento de áreas de nascentes d'água foi um dos motivos que levaram à criação, em 2007, do Parque Estadual Caminho dos Gerais. Projeto iniciado em março deste ano, no Instituto de Ciências Agrárias (ICA) da UFMG, em Montes Claros, propõe a implantação de estratégias de conservação, restauração e manejo em áreas degradadas do parque.

A professora Maria Auxiliadora Pereira Figueiredo, explica que o parque tem grande relevância para a conservação da biodiversidade, contribuindo para a preservação de espécies dos dois biomas. Além da proteção de fauna e da flora locais, a criação do parque, localizado no semiárido mineiro, visou à preservação dos recursos hídricos locais.

"A criação do parque foi resposta a um anseio da comunidade local, que após anos de convivência com extensas plantações de eucalipto, sentiu a necessidade de recuperar a área. A ideia era melhorar, principalmente, a produção de água para as comunidades à jusante, visto que se tratava de plantios antigos", comenta a professora. De acordo com Maria Auxiliadora, a falta de planejamento ambiental adequado resultou no assoreamento de cursos d'água, acarretando prejuízos na qualidade e quantidade da água na região.

Três anos
O projeto, nomeado Sendas, foi aprovado em chamada do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) e será executado durante três anos pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e pelo Instituto de Ciências Agrárias da UFMG. Participam professores e estudantes do curso de Engenharia Florestal da UFMG e dos cursos de Biologia, Geografia, Agronomia e Desenvolvimento Social da Unimontes.

A equipe é formada por 16 professores das duas universidades e estudantes da graduação, engajados em atividades de ensino, pesquisa e extensão. De acordo com a professora da UFMG, serão realizadas atividades com as comunidades do entorno do parque, com o compartilhamento de metodologias de restauração de área degradada, além de monitoramento da flora, fauna e solo por meio de pesquisas científicas. Também estão previstas obras para a contenção de voçorocas e a construção de barragens para acúmulo de água da chuva.

De acordo com Maria Auxiliadora Figueiredo, as intervenções de restauração devolverão às áreas condições ambientais bem próximas às originais. Algumas ações foram iniciadas em março, mas, devido às restrições sanitárias e legais impostas pela pandemia de covid-19, as atividades de campo serão intensificadas apenas após o controle do contágio.

"A pandemia reforça, ainda mais, a importância da água para a manutenção da higiene e a produção de alimentos. É crucial que sejam realizadas intervenções capazes de recuperar a vegetação nativa e melhorar as condições para produção de água nos ambientes", reforçou a professora.

Além de Maria Auxiliadora, compõem a equipe do projeto, as professoras do ICA Letícia Renata de Carvalho, Nilza de Lima Pereira Sales e Rúbia Santos Fonseca.

https://ufmg.br/comunicacao/noticias/ica-propoe-estrategias-de-restaura…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.