VOLTAR

Ianomâmi são contaminados por mercúrio na Amazônia brasileira

Isto É Dinheiro - http://www.istoedinheiro.com.br/noticias
25 de Mar de 2016

Ianomâmi são contaminados por mercúrio na Amazônia brasileira

25/03/2016 19:23

Indígenas de 19 comunidades ianomâmi da Amazônia brasileira mostram sinais de contaminação por mercúrio, informou a ONG Survival, em uma região onde a mineração ilegal faz estragos nos recursos naturais.

"Noventa por cento dos moradores originários destas comunidades estão seriamente afetados pela presença do metal em seu organismo", explica a Survival em uma publicação em sua página na internet, citando um estudo realizado pela Fiocruz, a Associação Ianomami Hutukara, o Instituto Socioambiental e a Associação Yekuana, todas vinculadas à saúde e à defesa do meio ambiente.

"Garimpeiros ilegais que operam em território ianomami estão contaminando os rios dos indígenas com o mercúrio usado durante o processo de extração. O mercúrio entra na cadeia alimentar através das águas do rio que os ianomâmis bebem e dos peixes que constituem parte fundamental de sua dieta", acrescentou a Survival.

Segundo a ONG, estas evidências foram apresentadas pelo xamã Davi Kopenawa à relatora especial de direitos humanos dos povos indígenas da ONU, Victoria Tauli-Corpuz.

Os ianomâmi - uma etnia relativamente isolada - constituem uma população total de 30.000 pessoas, que habitam nas regiões brasileiras da Amazônia e de Roraima (norte) e no sul da Venezuela.

A mineração ilegal castiga vários territórios amazônicos sul-americanos, uma atividade que caminha de mãos dadas com o desmatamento. No Peru, o ministério da Cultura denunciou no começo de março que uma comunidade da etnia nahua também sofria de contaminação por mercúrio.

A presença de mercúrio no sangue pode afetar órgãos vitais como pulmões e rins. Segundo a Organização Mundial da Saúde, é um dos dez elementos especialmente problemáticos para a saúde.

http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/economia/20160325/ianomami-sao…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.