VOLTAR

IAB assume área de proteção ambiental do Cairuçu

Envolverde - http://envolverde.ig.com.br
30 de jan de 2010

A luta pela preservação ambiental de Paraty (RJ) é uma bandeira antiga do Instituto Arruda Botelho (IAB). Com iniciativas como o Projeto Robalo, que promove ações de repovoamento marinho e geração de renda com a exploração sustentável da aqüicultura local, a entidade tem sido fundamental para que a região seja conservada como um dos grandes paraísos ecológicos brasileiros. A partir de agora, o instituto terá um novo desafio: o IAB é o novo secretário executivo do Conselho Deliberativo da Área de Proteção Ambiental (APA) Cairuçu, formada por uma grande extensão continental e marítima, que vai de Paraty até a divisa com o norte do Estado de São Paulo.

Eleito por unanimidade pelos 56 conselheiros do município de Paraty - entre instituições, associações de moradores e órgãos executivos da cidade - a entidade será responsável, juntamente com o Ibama, pelo monitoramento ambiental da região. A área, criada por Decreto Federal no ano de 1983, tem 33.800 hectares e é composta por 63 ilhas. Sua dimensão vai desde a nascente do rio Matheus Nunes até a Ponta Trindade, na divisa com Ubatuba/SP. A densa Mata Atlântica da região abriga diversas espécies raras e ameaçadas de extinção. Algumas das mais belas e preservadas praias do Estado do Rio de Janeiro, como a Paraty-Mirim, Mamanguá, Juatinga, Praia do Sono, Martim de Sá, Laranjeiras, Trindade, entre outras, fazem parte da área, além de manguezais e picos com mais de mil metros de altitude.

Cerca de 70% das comunidades caiçaras da região vivem no Cairuçu, integradas nesse ecossistema. Alexandre Gomes Fonseca, técnico do Projeto Robalo, será o representante do IAB no secretariado. Sua experiência acumulada durante os anos à frente do projeto, que contempla comunidades caiçaras de Paraty, será fundamental para o cargo. "Temos um extenso trabalho de preservação natural de Paraty e grande envolvimento com as comunidades pesqueiras da região em torno de uma exploração sustentável e da conscientização ambiental. Esta experiência será de grande importância para o trabalho que desenvolveremos na Área de Proteção Ambiental do Cairuçu", ressalta.

Voltado à preservação - Organização não-governamental e sem fins lucrativos, o Instituto Arruda Botelho promove a preservação ambiental e do patrimônio histórico e artístico do País, além do desenvolvimento social e da difusão cultural, tanto no Brasil como no exterior. Várias ações de interesses públicos fazem parte do instituto e se refletem no desenvolvimento social de diversas comunidades.

Na região de Paraty, o IAB é responsável pelo Projeto Robalo, que promove geração de renda por meio do fornecimento de tanques-redes que armazenam os peixes submersos. O sistema dispensa o uso de gelo e outros custos necessários para o armazenamento e conservação dos pescados, o que aumenta a margem de lucro do pescador. Além disso, o projeto colabora para a recuperação do ecossistema marinho com a colocação de galhos de podas de árvores e vegetação adicionados nestes compartimentos para simular um ambiente aquático natural. Com isso, os peixes armazenados passam a se alimentar de resíduos orgânicos deste ambiente dispensando o uso de ração que, em larga escala, poderia poluir as águas. Conseqüentemente, o sistema de criação alimenta também outros peixes, que passam a ficar em torno dos tanques.

De acordo com levantamento do projeto, em regiões onde não havia mais peixes, o ecossistema foi recuperado após a implantação desta técnica. O Projeto contribui ainda para a realização de pesquisas científicas por meio de parcerias com institutos e universidades. Recentemente, o Projeto Robalo firmou parceria com o Instituto de Pesca de São Paulo, que proporcionará cooperação técnica para que o trabalho desenvolvido no Rio de Janeiro seja executado também nos mares de Ubatuba.

Mais informações sobre o Projeto Robalo: http://www.institutoarrudabotelho.org.br

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.