VOLTAR

Governo Federal briga com poderosos e contra si próprio

O ECO
Autor: Andreia Fanzeres
16 de Abr de 2008

Além de ter que brigar diretamente com políticos e poderosos empresários, o Governo volta e meia enfrenta a si próprio. Só no Mato Grosso, estão sob embargo 14 áreas de assentamentos do Incra, e outras cinco administradas pelo Departamento Nacional de Infra-estrutura e Transportes (DNIT), fora atividades de diversas prefeituras em todos os estados.

Entre as empresas com áreas ou atividades embargadas figuram Amaggi Exportação e Importação, Bunge Alimentos, Agroamazônia Produtos Agropecuários, presente em toda fronteira do agronegócio, Estanho de Rondônia S/A, que explora cassiterita dentro da Floresta Nacional do Jamari e os empreendimentos Buriti Energia e Curuá Energia, de pequenas centrais hidrelétricas licenciadas nos limites da Reserva Biológica das Nascentes da Serra do Cachimbo, no sul do Pará, entre outros.

A exposição de empreendimentos e pessoas tão influentes incomodou. Ruralistas de Mato Grosso, parlamentares e representantes do governo estadual se dirigiram à Brasília às pressas na tentativa de tirar a lista do ar e de reverter os embargos, que impedem a obtenção de créditos bancários e a comercialização de produtos florestais e agropecuários, entre outras restrições.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.