VOLTAR

Funai vai investir 2,1 milhões na produção de Alimentos na Região do Cone Sul

Agora MS
21 de nov de 2007

A Fundação Nacional do Índio Funai (Funai) esta investindo 2,1milhões de reais no atendimento emergencial do subprograma de Segurança Alimentar e Nutricional para a população indígena do Cone Sul de Mato Grosso do Sul. Até esta semana já foram licitados 1,8 milhões na compra de sementes e implementos agrícolas, além da contratação de firmas terceirizadas para o preparo de solo para produção de alimentos.

Tendo como base conceitual o projeto de produção de alimentos executado na aldeia Panambizinho, com apoio do MDS/Fundação Banco do Brasil e Instituto de Meio Ambiente e Desenvolvimento - IMAD, a FUNAI inicia o fomento à produção em parte das terras Guarani que apresentam condições de plantio.

Para isso, somam-se os recursos da própria FUNAI (950 mil oriundos de emenda parlamentar) e os repassados pelo MDS (destaque orçamentário) no valor de 497 mil reais, além de 600 mil do orçamento da Funai. Segundo o presidente em exercício da Funai, Aloysio Guapindaia, para 2008, a instituição deverá investir em torno de dois milhões, só orçamento na Administração Executiva Regional do Cone Sul.

Dessa forma, a Funai quer evitar, assim, ações e recursos dispersos e desarticulados. A Funai torna-se a principal "porta de entrada" das ações de auto-sustentação, contando com o apoio e acompanhamento do MDS, prefeituras locais (Dourados, Juti e Caarapó), EMBRAPA e Governo do Estado.

As aldeias atendidas nesse primeiro momento são (Jaguapirú, Bororo, Passo Piraju, Panambi, Takuara, Jarará, Guyraroká) com um total de 1.853 famílias e cerca 1.110 hectares a serem cultivados, que representam uma parte dos aproximadamente 40% de terras aptas ao cultivo existente nos 38 territórios guarani atualmente reconhecidos.

Soma-se aos esforços, o Banco de Alimentos mantido pela Prefeitura de Dourados, com o apoio do MDS, para a compra do excedente da produção familiar (indígena ou não) e distribuição às famílias que ainda não possuem condições de plantar, complementando e enriquecendo as cestas básicas atualmente distribuídas.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.