VOLTAR

Força-tarefa chega hoje para pôr fim ao impasse

Gazeta de Cuiabá-Cuiabá-MT
04 de set de 2003

Uma força tarefa composta por policiais federais dos Estados de Mato Grosso e Pará, e membros da Funai de Brasília, chegam hoje de manhã a Alta Floresta (810 quilômetros de Cuiabá), para tentar libertar seis funcionários da Fazenda Santa Rosa, no município de Apiacás, feitos reféns desde sábado (30), por índios kayabis. Entre os reféns estão uma mulher e uma pessoa que sofre de pressão alta e que, desde ontem, passa mal.

Para chegar até a fazenda o grupo terá que percorrer 150 quilômetros por terra e viajar por três horas de barco, pelo Rio Teles Pires. Segundo o tenente coronel da Polícia Militar, Valdemir Benedito Barbosa, os donos da fazenda dizem que 30 índios teriam invadido a propriedade no sábado à tarde e rendido seus funcionários, alegando que foram proibidos de pescar nas margens do rio, que fica dentro da fazenda. A Santa Rosa tem 75 mil hectares e os índios dizem que ela está dentro da reserva, que tem extensão de 1 milhão de hectares nos Estados de Mato Grosso e Pará. Na reserva, banhada pelo Teles Pires e São Benedito, viveriam índios da etnia Kayabi, Apiacá e Munduruco. Da etnia Kayabi seriam 150 índios, sob o comando do cacique Artur Kayabi, que mantém os reféns. Outra versão é de que os índios querem acelerar a demarcação da terra reconhecida como deles. "Em fevereiro o governo federal mandou uma equipe fazer um "limpa" na área da reserva e retirou dragas, madeireiros, apreendeu moto serras e levou todos os instrumentos de exploração e os exploradores. Deu a entender aos índios que toda essa região era deles e que seria demarcada. Mas até agora nada foi feito e eles estão exigindo o cumprimento da promessa", avalia o tenente coronel, que participou da ação de retirada. (MO)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.