VOLTAR

Força Nacional impede ocupação de usina

Diário de Cuiabá diariodecuiaba.com.br
17 de out de 2017

Em Alta Floresta (820 quilômetros, ao norte de Cuiabá) desde a última quinta-feira (12), soldados da Força Nacional de Segurança (FNS) impediram que um grupo de Indígenas das etnias munduruku, apiaká e kayabi ocupassem, no sábado (14), o canteiro de obras da usina hidrelétrica (UH) São Manuel, que está sendo construída no Rio Teles Pires, na divisa de Mato Grosso com o Pará.

A tentativa de invasão contou com cerca de 150 indígenas, que foram recebidos com bombas de efeito moral. Sem obter êxito, eles foram levados para a região urbana de Alta Floresta Empresa de Energia São Manoel (EESM), onde ontem pela manhã aguardavam a chegada do presidente da FUNAI e de procuradores de Justiça para atenderem às reinvindicações da comunidade.

A Força Nacional veio para Mato Grosso para cumprir uma decisão judicial que determinou a garantia de segurança no canteiro de obras da usina hidrelétrica. Assinada pelo juiz Marcel Queiróz Linhares, da 2ª Vara Federal de Sinop (505 quilômetros da capital), a ordem judicial atende um pedido feito pela diretoria da Energia São Manoel, responsável pela usina, após suposta ameaça de invasão de indígenas no local.

Os índios das três etnias, que vivem em aldeias banhadas pelo Teles Pires, alegam que a hidrelétrica é uma "grande ameaça" aos rios, florestas, animais, peixes e patrimônio histórico e cultural dos antepassados.

Eles já chegaram a pedir ao Ministério Público Federal (MPF) do Estado e do Pará uma ação de suspensão da licença de operação (LO) da usina, concedida em setembro passado pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Com o licenciamento, a empresa poderá encher o reservatório. A empresa garante estar cumprindo com compromissos de compensação ambiental acordados com as comunidades e a Fundação Nacional do Índio (Funai).

Vale lembrar que julho deste ano, índios mundukurus ocuparam o canteiro de obras do empreendimento por quatro dias. Antes, no ano passado, uma engenheira e seis operários que trabalham na construção da usina hidrelétrica foram feitos reféns por índios kayabis, na aldeia Kururuzinho, que fica próxima a Alta Floresta. Na ocasião, os indígenas reclamam da contaminação do rio após um vazamento de óleo na região.

A presença da Força Nacional visa evitar danos ao patrimônio e garantir o direito de ir e vir dos funcionários da usina. Obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a UH "São Manoel" começou a ser construída em 2014.

O prazo previsto para conclusão dos trabalhos é o primeiro semestre de 2018. Quando estiver pronta, seu reservatório terá uma área de 66 quilômetros quadrados e capacidade de geração de 700 megawatts.

http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=508806

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.